Juve faz 3 a 0 no Barça e obriga catalães a buscar outra 'remontada'

Jogadores do Juventus comemoram vitória após a partida Juventus vs Barcelona, no dia 11 de abril de 2017

Com atuação de gala do argentino Paulo Dybala, autor de dois gols, a Juventus dominou e derrotou por 3 a 0 o Barcelona em Turim, nesta terça-feira na partida de ida das quartas de final da Liga dos Campeões, encaminhando a classificação e obrigando o Barça a realizar outra 'remontada' épica.

Quem esperava ver Lionel Messi brilhar ao lado do brasileiro Neymar e do uruguaio Luis Suárez acabou assistindo à bela exibição de uma Juventus aguerrida e segura de si, e que contou com o jovem Dybala inspirado. Chiellini completou o placar de cabeça.

Com os dois gols marcados, o argentino de 23 anos roubou, pelo menos por uma noite, os holofotes que sempre estão apontados para seu compatriota e camisa 10 da Argentina.

O resultado -e a fraca atuação- lembraram a goleada sofrida pelo Barcelona na partida de ida das oitavas de final da Champions contra o Paris Saint-Germain, quando foi derrotado por 4 a 0 no Parque dos Príncipes da capital francesa.

Naquela ocasião, o Barcelona foi capaz de realizar um verdadeiro milagre, buscando a 'remontada', ao vencer no Camp Nou por 6 a 1.

Na semana que vem, na capital da Catalunha, Messi e companhia terão que buscar outra façanha parecida se quiserem avançar às semifinais.

- Dybala ou Messi? -

As lições do 'Milagre do Camp Nou' contra o PSG não pareceram terem sido absorvidas pelos jogadores do Barça.

Assim como no duelo de ida contra os franceses, os catalães entraram em campo com pouca intensidade para o tamanho do desafio que os esperava, neste caso a atual pentacampeã italiana.

Do outro lado, a Juventus, muito motivada para se vingar de seu algoz da final da Champions de 2015, e com muito respeito pela qualidade dos astros do time catalão, jogou com o coração na ponta da chuteira desde o pontapé inicial.

Com isso, o time de Massimiliano Allegri deu um verdadeiro nó tático nos comandados de Luis Enrique graças à forte pressão na saída de bola, com Cuadrado, Mandzukic, Dybala e Higuaín correndo intensamente atrás dos lentos Mascherano, Piqué e Mathieu.

E a primeira chance italiana não demorou a surgir.

Logo aos 2 minutos, Dybala sofreu falta. Na cobrança, a bola foi alçada na área e Higuaín apareceu sozinho para cabecear, mas a bola foi em cima de Ter Stegen, que defendeu em dois tempos.

O ritmo frenético da Juve nos minutos iniciais do jogo acabou sendo premiada com um merecido gol.

Aos 6 minutos, Cuadrado recebeu na ponta esquerda, pedalou para cima de Mascherano e encontrou Dybala livre na pequena área. O jovem atacante argentino dominou e girou batendo de canhota, colocado, sem chances para Ter Stegen.

O gol no início do jogo foi tudo que a Juve queria. Com a vantagem no placar, o time italiano não precisaria mais se desgastar tanto pressionando a saída de bola catalã. Pelo contrário, poderia recuar, impor sua famosa muralha defensiva e partir para o contra-ataque.

A atuação praticamente perfeita da Juventus no primeiro tempo só foi abalada pelo gênio individual de Lionel Messi.

Aos 20 minutos, o craque do Barça recebeu no meio de campo, avançou com a bola e, com um passe magistral deixou Iniesta na cara do gol.

O experiente meia espanhol só tentou tirar de Buffon com um toque sutil, mas o lendário goleiro mostrou o porquê, aos 39 anos de idade, segue sendo considerado um dos melhores goleiros do mundo, desviando no reflexo e mandando a bola para escanteio.

A chance desperdiçada acabou custando caro ao Barça e Dybala voltou a roubar os holofotes de seu compatriota Messi.

No lance seguinte, Mandzukic partiu em contra-ataque pela esquerda, foi até a linha de fundo e encontrou Dybala livre na entrada da área.

O argentino arriscou chute colocado de primeira e acertou novamente o canto inferior do gol de Ter Stegen, que tocou na bola, mas não evitou o gol.

- Chiellini define e Buffon garante -

A bronca de Luis Enrique no vestiário do Barça por mais um primeiro tempo apático na Champions pareceu funcionar no início do segundo tempo.

Os catalães, com André Gomes no meio de campo no lugar de Mathieu, muito mal na lateral-esquerda no primeiro tempo, encontraram o caminho do gol, mas não das redes.

Iniesta foi o primeiro a assustar, em chutes de fora da área aos 3 e 6 minutos que assustaram Buffon.

Aos 8, Suárez recebeu na área, ganhou de Chiellini no corpo e chutou cruzado, mas Buffon pegou raspando, o suficiente para mandar para escanteio.

Quando o gol catalão ia amadurecendo, a Juve foi ao ataque e definiu o jogo e, talvez, a classificação às semifinais da Champions.

Aos 9 minutos, o próprio Chiellini apareceu na área do Barça e cabeceou com firmeza uma cobrança de escanteio que ainda bateu na trave antes de entrar.

O gol foi uma verdadeira ducha de água fria no Barça e teve o efeito oposto na torcida da Juventus Stadium, que fez linda festa em 'bianchi e neri', o branco e o preto tradicionais do clube de Turim.

Motivada pela torcida, a Juventus ainda criou chances incríveis de ampliar o placar, as duas com Higuaín.

O argentino apareceu livre para chutar de fora da área aos 24 e recebeu sozinho na cara do gol aos 29, mas em ambas parou em Ter Stegen.

No fim, o todo-poderoso Barça acabou escapando de outra goleada na Champions e, se quiser ter alguma chance de se classificar, terá que encontrar a mesma motivação e raça que os outros clubes da Europa apresentam quando vão enfrentar o badalado time do trio 'MSN'.