Justiça Federal manda Ibama afastar funcionária por suspeita de envolvimento em tráfico de animais

Yahoo Notícias
Após ser encontrada, cobra naja foi para o Zoológico de Brasília (Foto: Ivan Mattos/Zoológico de Brasília)
Após ser encontrada, cobra naja foi para o Zoológico de Brasília (Foto: Ivan Mattos/Zoológico de Brasília)

Uma funcionária do Ibama é suspeita de envolvimento de tráfico internacional de animais silvestres e exóticos, no caso que envolve estudantes de medicina em Brasília. As investigações começaram depois que um deles foi picado por uma cobra naja. A Justiça Federal de Brasília mandou o Ibama afastar a funcionária.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Segundo informações divulgadas pelo portal G1, a investigação encontrou uma licença de “coleta, captura e transporte” de serpentes de fora do Brasil. O documento foi expedido pela funcionária Adriana da Silva Mascarenhas, e estava na casa de Gabriel Ribeiro, estudante de veterinária preso na última quarta-feira, 22, por tráfico de animais.

Foi Gabriel quem abandonou a cobra naja depois de o amigo, Pedro Henrique Krambeck, ser picado pelo animal, em 7 de julho. O jovem ficou em coma durante seis dias.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Na decisão, obtida pelo G1, a Justiça afirma que há fortes indícios de que a funcionária tem envolvimento com fatos investigados, que dizem respeito ao tráfico de animais silvestres, além de atos de improbidade na emissão de licenças.

Leia também

Adriana era coordenadora do Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama. Uma caixa com a marca do centro foi apreendida na casa dos estudantes envolvidos.

A investigação ainda mostrou a funcionária emitiu mais licenças: uma de um mico estrela para a manicure e outra referente a dois papagaios para uma amiga do namorado.

Leia também