Justiça Eleitoral determina que Russomanno retire vídeo de ataque a Boulos de redes sociais

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
Celso Russomanno (C), the mayoral candidate of the Brazilian Republican Party (PRB), talks with people who claims for their community's poor utilities in Parelheiros, Sao Paulo some 50 km south of city's downtown, in Brazil on September 28, 2012. AFP PHOTO/YASUYOSHI CHIBA (Photo credit should read YASUYOSHI CHIBA/AFP/GettyImages)
Celso Russomanno (C), the mayoral candidate of the Brazilian Republican Party (PRB), talks with people who claims for their community's poor utilities in Parelheiros, Sao Paulo some 50 km south of city's downtown, in Brazil on September 28, 2012. AFP PHOTO/YASUYOSHI CHIBA (Photo credit should read YASUYOSHI CHIBA/AFP/GettyImages)

A Justiça Eleitoral de São Paulo determinou a suspensão de veiculação de um vídeo publicado pelo candidato à prefeitura de São Paulo Celso Russomanno (Republicanos) contra o também candidato Guilherme Boulos (PSOL). No vídeo publicado em suas páginas no Facebook e Instagram, o especialista em defesa do consumidor acusa o psolista de ter cobrado aluguel de inquilinos de um prédio ocupado que desabou após um incêndio na capital paulista.

A determinação, assinada pelo Juiz Eleitora Renato de Abreu Perine e publicada na sexta-feira (30), esclarece que o vídeo continha “informação errônea na propaganda, pois, segundo amplamente divulgado na imprensa, a cobrança de aluguel de moradores no imóvel que sofreu incêndio (edifício Wilton Paes deAlmeida), que foi mostrado em imagem, não possuía relação com movimentos sociais organizados pelo representante, mas, sim, com outros grupos(...) que tiveram seus líderes presos”.

Leia também

O candidato do PSOL celebrou a decisão da justiça. “Vai ter que deletar a fake news, Russomanno”, escreveu ele em publicação no Twitter. “Russomanno postou vídeo mentiroso em suas redes onde me associava a cobrança de aluguel em prédio que pegou fogo no Centro de São Paulo. A Justiça Eleitoral decidiu que o vídeo tem que ser excluído!”.

Boulos também havia pedido que o vídeo fosse tirado de circulação também do WhatsApp, aplicativo pertencente ao mesmo grupo do Facebook e Instagram, mas o juiz indeferiu o pedido por entender que não há circulação do vídeo no App de mensagens instantâneas.

Russomanno tem 48 horas após a publicação da decisão para apresentar defesa do caso.