Justiça determina que Comitê Rio 2016 faça reparos no Maracanã

Vista aérea do Maracanã 09/02/2017 REUTERS/Nacho Doce

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Justiça do Rio de Janeiro determinou que o Comitê Rio 2016, organizador da Olimpíada do ano passado, realize obras no estádios do Maracanã e no ginásio do Maracanãzinho para reparar alguns problemas deixados na época em que as arenas estiveram cedidas para realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

As obras têm de ser feitas em um prazo de um mês sob pena de aplicação de uma multa diária de 100 mil reais.

A juíza da 4ª Vara de Fazenda pública da capital, Maria Paula Gouvea Galhardo, atendeu a um pedido do governo do Estado que argumentou que os dois estádios não foram devolvidos nas mesmas condições recebidas pelo Comitê Rio 2016.

O Comitê informou que vai acatar a decisão e que os reparos estão orçados em pouco mais de 500 mil reais.

“Nós reconhecemos ainda na entrega do estádio que precisava ser feito alguma coisa e vamos cumprir a decisão”, disse à Reuters, o diretor de comunicação do Rio 2016, Mario Andrada. “Serão feitos reparos como pintura, teto da sala de imprensa, vidros quebrados e reparos nos banheiros."

"Mas não tem nada daquilo que a Odebrecht falou que devolvemos com problemas na cobertura e de infraestrurura”, acrescentou.

Na mesma ação, o Estado cobrava do Comitê o pagamento de contas de água e luz que não foram quitadas durante o período de cessão das arenas para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, mas a Justiça negou o pedido.

O Comitê alega que tem recursos a receber da Light, fornecedora de energia do Rio de Janeiro, e pretende deduzir desse montante os valores relativos a conta de luz do estádio.

O Maracanã, palco das cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos, e, da final da Copa do Mundo de 2014, vai receber o primeiro jogo da temporada nessa quarta-feira, o duelo entre Flamengo e San Lorenzo, pela Libertadores.

A atual concessionária do estádio, liderada pela Odebrecht, chegou a abandonar a concessão entre o fim do ano passado e o início deste ano, mas em janeiro a Justiça do Rio determinou que ela mantivesse o controle do complexo do Maracanã.

A Odebrecht, que está no centro de corrupção investigado pela operação Lava Jato, negocia com dois grupos o repasse da concessão do complexo do Maracanã.

(Por Rodrigo Viga Gaier)