Juiz reabre julgamento e exige fiança de Neymar por crime de evasão fiscal

A polêmica do caso DIS envolvendo a transferência de Neymar do Santos para o Barcelona em 2013 segue frutificando. Nesta quinta-feira, o juiz da Audiência Nacional da Espanha, José De la Mata, decretou a abertura de um julgamento contra o camisa 11 e todas as partes envolvidas, além de impor uma fiança conjunta de 3,4 milhões de euros (R$ 11,7 milhões) aos acusados.

O decreto foi feito após a Audiência negar o último recurso apresentado por Josep Maria Bartolomeu, atual presidente do Barcelona. Além de Bartolomeu, Neymar e seu pai, o presidente da equipe à época, Sandro Rosell, também serão julgados e precisarão pagar a quantia, assim como o próprio Barcelona e o Santos.

Essa quantia foi exigida por ser o valor que o clube catalão precisaria pagar a mais para o fundo DIS, que possuía 40% dos direitos do jogador na época de sua negociação. O juiz espanhol ainda não definiu uma data para o julgamento começar.

A Promotoria espanhola pede dois anos de prisão e multa de dez milhões de euros (R$ 34 milhões) para Neymar pelo crime de evasão fiscal.