Jovem negro vai trocar presente para o pai e acaba ameaçado com arma em shopping no RJ

·3 minuto de leitura
Jovem negro de 18 anos relata agressão e ameaça com arma por homens em shopping no RJ - Foto: Reprodução/TV Globo
Jovem negro de 18 anos relata agressão e ameaça com arma por homens em shopping no RJ - Foto: Reprodução/TV Globo

Matheus Fernandes, de 18 anos, denunciou que foi agredido e ameaçado por dois homens dentro do Ilha Plaza Shopping, no Rio de Janeiro. O caso aconteceu nesta quinta-feira (06) quando o jovem foi ao estabelecimento para trocar um relógio que havia comparado para o Dia dos Pais.

Nas imagens divulgadas pela TV Globo, é possível ver Matheus no chão sendo imobilizado por um homem enquanto outro homem apenas observa de perto. Frequentadores do shopping começam a filmes e pedem para que o jovem seja solto.

Leia também

Matheus trabalho como entregador de aplicativo e afirmou que estava sendo seguido por homens à paisana e foi abordado dentro de uma loja Renner quando nem sequer havia sido atendido ainda.

De acordo com a emissora, os homens não são funcionários da loja de departamentos e nem do shopping. Contudo, eles ainda não foram identificados pela polícia.

"Estava esperando pelo atendimento quando ele se aproximou de mim e disse: 'Vamos ali'. Eu disse que não sairia dali e que não era nenhum ladrão. Fui tratado como se não fosse nada, e ainda colocaram uma pistola na minha cabeça. E por que isso? Porque estou com um relógio bacana sou ladrão? Não sou ladrão, não", relatou o jovem à emissora.

Jovem negro de 18 anos relata agressão e ameaça com arma por homens em shopping no RJ - Foto: Reprodução/TV Globo
Jovem negro de 18 anos relata agressão e ameaça com arma por homens em shopping no RJ - Foto: Reprodução/TV Globo

Um segurança do Shopping chegou a presenciar a agressão como mostram as imagens, mas ele não toma nenhuma providência. Só então que clientes passam a intervir pelo jovem imobilizado, reclamando das agressões. Após as queixas, o homem solta Matheus.

O jovem conta que tentou registrar o caso na delegacia da Ilha do Governador, mas foi orientado a realizada o Boletim de Ocorrência online, já que o atendimento presencial está reduzido devido à pandemia do novo coronavírus.

Assista:

Em nota, a Renner disse repudiar qualquer violência e discriminação e afirmou que vai colaborar para esclarecer o ocorrido, oferecendo ainda “suporte necessário” ao jovem. À TV Globo, a loja negou qualquer relação com o episódio dizendo que os envolvidos não pertencem ao quadro de prestadores de serviço.

O Ilha Plaza Shopping, por sua vez, disse que lamenta o ocorrido e que repudia qualquer tipo de violência. O estabelecimento disse que está “apurando rigorosamente” os fatos ocorridos dentro de suas dependências.

"Os agressores não são funcionários do shopping. O nosso vigilante atuou de forma a controlar a situação. Estamos buscando as informações internamente sobre o que teria acontecido para tomarmos as medidas cabíveis. O shopping repudia a violência e iremos colaborar com as autoridades", afirmou o Shopping à TV Globo.

A Polícia Civil abriu investigação para apurar o caso e a vítima deve ser ouvida ainda nesta sexta-feira (07). Imagens do circuito interno do shopping devem auxiliar nas investigações.

O caso ganha destaque no mesmo dia em que viralizou nas redes sociais o vídeo de um entregador de aplicativo negro sendo humilhado por um homem branco em um condomínio de classe média alta no interior paulista.