José Carlos Peres sofre impeachment inédito na história do Santos

Fábio Lázaro
·2 minuto de leitura


José Carlos Peres não é mais presidente do Santos. Neste domingo (22), os associados do clube aprovaram o impeachment do cartola com 1.005 votos a favor, 69 contra e quatro abstenções. O dirigente estava afastado do comando santista desde 28 de setembro, quando o Conselho Deliberativo aprovou a abertura do processo.

A Assembleia Extraordinária de Sócios aconteceu no Ginásio Athiê Jorge Cury, quadra de futebol localizada dentro do estádio Urbano Caldeira, entre 10h e 18h, e, diferentemente do pleito eleitoral previsto para o dia 12 de dezembro, não teve urnas instaladas na sede da Federação Paulista de Futebol, na cidade de São Paulo, nem voto à distância, uma novidade no Estatuto Social do Peixe.

A parte da manhã foi mais movimentada, com fluxo intenso de pessoas, filas e, entre 12h e 12h45, manifestação de uma das torcidas uniformizadas santistas na frente da Vila Belmiro pedindo o impeachment de José Carlos Peres.

> Veja a classificação do Brasileirão e simule os próximos jogos

O agora ex-presidente não compareceu ao local, diferentemente do mandatário em exercício, Orlando Rollo, vice de Peres, mas rompido desde os primeiros meses de mandato, em 2018, que foi ao estádio santista.

O gestor foi desligado do cargo após o Conselho Fiscal apontar gestão temerária e reprovar as contas do Santos em 2019, alegando, dentre outras coisas, uso inadequado do cartão corporativo e repasse não registrado de comissão ao empresário Renato Duprat na venda do atacante Bruno Henrique ao Flamengo. O parecer foi levado à Comissão de Inquérito e Sindicância e aprovado pelo Conselho Deliberativo.

Com o resultado das urnas, Peres se torna o primeiro presidente do Santos FC a sofrer impeachment. Ele já havia sido o pioneiro entre os gestores brasileiros a ser afastado da presidência por meio das diretrizes do Profut, programa de refinanciamento de dívidas das equipes brasileiras aplicado estatutariamente no Peixe no fim de 2019.

Esse foi o segundo processo de impedimento pelo qual Peres passou durante os seus menos de três anos de mandato. O primeiro aconteceu em setembro de 2018, após alegação do Conselho Deliberativo de participação do ex-presidente em uma empresa de agenciamento de atletas, o que é vetado pelo Estatuto Social. Na ocaisção, o impeachment passou pelos conselheiros, mas à época não havia a previsão de afastamento e José Carlos acabou "se salvando" por meio dos sócios, que negaram, por maioria simples, a saída do cartola do clube.