Jornalista da Globo desabafa sobre racismo: "Muitas pessoas querem nos matar"

Yahoo Vida e Estilo
Thiago Oliveira foi elogiado após abrir o coração ao vivo (Foto: Reprodução/Globo)
Thiago Oliveira foi elogiado após abrir o coração ao vivo (Foto: Reprodução/Globo)

Em participação no ‘Hora Um’ desta terça-feira (2), Thiago Oliveira falou sobre as manifestações contra o racismo no futebol. Os protestos foram iniciados nos Estados Unidos após a morte de George Floyd. Roberto Kocalick, apresentador do telejornal, aproveitou a oportunidade para dizer que “vidas negras importam”. Ao lado do colega, o âncora se posicionou sobre o assunto mais comentado nas redes sociais.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários.

Antes disso, Kovalick já tinha dado espaço para Thiago desabafar no ao vivo de sexta-feira (29). O comentário dele ainda está repercutindo nas redes sociais. Na ocasião, o jornalista disse que se fosse branco George Floyd não teria morrido. O comentarista ainda fez um paralelo com o racismo no Brasil.

Leia também

“Muitas pessoas querem nos matar com vocabulário, escolhas silenciosas. Isso é o que dói mais. Aquilo que vimos nos EUA dói demais, mas acontece aqui no Brasil inteiro. O racismo, na minha opinião, está enraizado de uma forma difícil de acabar. Passa de geração para geração e é camuflado. Quantas vezes você já falou uma palavra que você não conhece nem a etimologia dela?”, questionou ele.

Na sequência, Thiago disse que não é mais momento de se calar e pediu para as pessoas pesquisarem na internet “pessoas bonitas e inteligentes” para verem que a publicidade só mostra brancos. “Durante muitos séculos, muitos anos, a carne mais barata no Brasil era a carne negra. Hoje não é mais. A gente não pode ficar quieto com o que está acontecendo. É revoltante isso. A gente não pode mais ficar calado”, completou.

Confira a repercussão:


Leia também