Jornalista brasileiro diz que bandeira de Pernambuco foi confundida com símbolo LGBTQ no Catar

Torcedores em praça de Doha, no Catar

Por Steven Grattan e Gabriel Araujo

SÃO PAULO (Reuters) - Um jornalista brasileiro que está cobrindo a Copa do Mundo no Catar disse que a polícia local o assediou nesta terça-feira do lado de fora de um estádio após a bandeira do Estado de Pernambuco ser confundida com uma bandeira do orgulho LGBTQ.

Victor Pereira disse que as autoridades tomaram seu telefone após ele gravar uma reação negativa de um homem à bandeira colorida do Estado nordestino, que possui um arco-íris, uma cruz vermelha e uma estrela.

O jornalista disse à Reuters que um homem usando uma vestimenta branca tradicional confundiu sua bandeira com uma bandeira de arco-íris da comunidade LGBTQ enquanto ele deixava o estádio do Mundial após a surpreendente vitória da Arábia Saudita por 2 x 1 sobre a Argentina.

A homossexualidade é ilegal no Catar, e punível com prisão.

"Um homem com essa roupa típica que eles usam aqui no Catar, essa vestimenta branca, ele pegou a bandeira, jogou no chão e começou a pisar. Eu prontamente peguei meu celular e comecei a gravar, e aí eles perceberam que eu estava gravando e vieram para cima de mim", disse Pereira.

"Esse homem com essa vestimenta branca tomou o celular da minha mão. Ele começou a ameaçar jogar meu celular no chão e (disse que) só me devolveria se eu deletasse. Nisso chegou um policial, um homem da segurança, ele chegou e tentou interferir, pegou o celular da mão desse homem e me mandou deletar. Eu mostrei para ele minha credencial, disse que eu não iria deletar, mas ainda assim ele permaneceu irredutível, ameaçou, disse que iria quebrar o meu celular", afirmou.

Pereira disse que obedeceu para ter certeza de que receberia seu telefone de volta, já que o usa para o trabalho. O caso foi noticiado na terça-feira após ele publicar um vídeo no Twitter contando o que aconteceu.

O Comitê Supremo para Entrega e Legado, que organiza a Copa do Mundo, não respondeu imediatamente a pedido de comentário, assim como o gabinete de Imprensa do governo do Catar.

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, expressou solidariedade a Pereira no Twitter.

Um jornalista norte-americano disse que foi brevemente detido na segunda-feira ao tentar entrar num estádio da Copa do Mundo no Catar enquanto usava uma camiseta com um arco-íris em apoio à comunidade LGBTQ, e também afirmou que seu telefone foi tomado.