Jornal do Qatar ironiza protesto da Alemanha: 'Fecharam a boca, mas esqueceram o gol'


Antes do revés para o Japão, os jogadores da Alemanha fizeram um protesto contra a proibição da Fifa para o uso da braçadeira em prol da causa LGBTQIA+ e dos direitos humanos. Ambos os atletas taparam a boca na hora da foto oficial da seleção. Contudo, um jornal do Qatar ironizou a manifestação ao dizer que os alemães 'esqueceram' de fazer gols.

- Eles fecharam a boca, mas esqueceram o gol - publicou o jornal em sua rede social.

Entenda o caso


Vale destacar que as braçadeiras "One Love" foram proibidas pela Fifa, que ameaçou punir desportivamente os atletas que utilizarem o item nos jogos da Copa do Mundo. O objetivo da manifestação é alertar o planeta sobre todas as formas de amor, o que há resistência na cultura do Qatar, sede do Mundial. O país classifica a prática homossexual como crime, passível até mesmo de pena de morte em alguns locais do país.

+ Galvão Bueno ironiza derrota da Alemanha contra o Japão

Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Holanda, Inglaterra, País de Gales e Suíça emitiram um comunicado em conjunto informando a orientação de recuo aos seus líderes.

- A Fifa deixou muito claro que imporá sanções esportivas se nossos capitães usarem as braçadeiras no campo de jogo. Como federações nacionais, não podemos colocar nossos jogadores em uma posição em que possam enfrentar sanções esportivas, incluindo cartões amarelos, por isso pedimos aos capitães que não tentem usar as braçadeiras nos jogos da Copa do Mundo da FIFA - disse parte do informativo.

+ Confira e simule a tabela da Copa do Mundo

Além dos cartões amarelos, a entidade máxima do futebol também sinalizou que puniria essas seleções com multas. No último fim de semana alguns representantes dessas federações entraram em contato com membros da Fifa, a fim de flexibilizar a situação, mas em vão.

Por fim, outro item do regulamento da Copa do Mundo diz que nenhum item do uniforme ou do equipamento das seleções pode conter mensagens políticas ou religiosas ou comerciais.