Jorge Masvidal dá sua versão sobre o fim da amizade com Colby Covington

Jorge Masvidal encara Nate Diaz na luta principal do UFC 244 – Rigel Salazar

A relação amistosa que parecia haver entre os meio-médios (77 kg) do Ultimate Jorge Masvidal e Colby Covington realmente acabou. Os lutadores, que representam a equipe American Top Team, têm trocado provocações nos últimos tempos. Mas, de acordo com ‘Gamebred’, a amizade não foi abalada por conta de inveja, como ‘Chaos’ tem insinuado.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Em entrevista ao ‘The Dan LeBatard Show’, Masvidal explicou que a desavença com o companheiro de equipe teve início após Covington ter acumulado uma dívida financeira com um de seus treinadores, que havia ajudado o falastrão a se preparar para o combate, válido pelo cinturão interino da categoria, contra Rafael dos Anjos, em junho do ano passado. Irritado com a postura do ex-amigo, Jorge aproveitou para relembrar um período não tão distante, quando ajudou Colby em um momento de ‘vacas magras’.

“Nós éramos amigos até ele roubar (dever dinheiro) meu treinador. Nós estávamos com ele até sua última luta. Depois que ele ganhou o título (interino), ele devia uma quantia de dinheiro ao treinador, e não o pagou. Eu disse que se ele não pagasse eu ia f*** ele. Meu treinador entrou no meio, (…) desde então eu não falei mais com ele”, explicou ‘Gamebred’, antes de completar.

“Faz um ano e pouco. Todas essas palavras, elas têm consequências porque esse cara costumava dormir no meu sofá, costumava se alimentar por minha causa. Eu era o que tinha patrocinadores. Ele era apenas um amador relativamente, e eu estava ajudando esse cara. Machuca que ele faça isso apenas por uma curtida no Facebook, ou um retweet no Twitter. Ele está fazendo isso para que eu e você falemos sobre ele”, contou.

Com conhecimento de causa – por conhecer Colby há anos –, Masvidal afirmou que o desafeto se viu obrigado a criar um personagem polêmico para ampliar sua relevância no esporte. Para ele, o público não se interessa pelas lutas do companheiro de equipe, que, em razão disso, precisava de uma estratégia arrojada fora do octógono para ficar famoso.

“Ele está furioso porque as pessoas não se interessam em assisti-lo lutar. Elas querem vê-lo perder. É por isso que elas assistem. Ele faz toda essa encenação porque ele não conseguia fazer o público assistir suas lutas regularmente. Então ele disse ‘se eu exagerar, criar esse personagem, as pessoas vão me odiar, e vão me assistir’. As pessoas até sintonizam, mas não é tanto quanto ele gostaria. Eu não acho que isso venda lutas”, comentou Jorge, antes de se juntar a Dustin Poirier na lista de colegas de time que ameaçaram agredir Covington na academia da ‘ATT’.

“Eu não posso deixar esse marginal vir aqui falando. Ele vai estar na academia, eu vou entrar na academia, adivinhe quem vai sair imediatamente pela porta dos fundos? Faça um palpite ousado”, finalizou.

Terceiro colocado no ranking dos meio-médios, Jorge Masvidal encara Nate Diaz na luta principal do UFC 244, que acontece no dia 2 de novembro, em Nova York (EUA). Era esperado que Colby Covington enfrentasse Kamaru Usman, em disputa pelo cinturão da divisão, no card deste evento, mas um impasse nas negociações contratuais obrigou a organização a mudar seus planos.

Leia também