Jorge Jesus e o técnico estrangeiro: o intercâmbio é o grande campeão

Jorge Jesus fez, após a vitória por 1 a 0 do Flamengo sobre o Grêmio, pela 33ª rodada do Brasileirão, um desabafo importante sobre a forma como vem sendo tratado especialmente por outros técnicos brasileiros.

“Não vim tirar o trabalho de ninguém, não vim ensinar ninguém. Também queria lembrar para os meus colegas que em Portugal já trabalhou um brasileiro, chama-se Scolari. Um grande treinador. Foi acarinhado por todos os treinadores portugueses”, afirmou após a vitória que o deixou a detalhes de ser campeão brasileiro.

“Além dele teve Lazaroni, Abel Braga, Carlos Alberto, René Simões, Paulo Autuori. E nós, treinadores portugueses, quando eles estiveram lá, tentávamos aprender e tirar alguma coisa positiva e nunca foi essa agressividade verbal que os treinadores brasileiros têm sobre mim. Não entendo essas mentes fechadas. Espero que olhem para mim como colega de profissão”.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Intercâmbio ajudou Brasil a ser campeão do mundo

Bela Guttman ex Benfica Coach
Bela Guttman ex Benfica Coach
Béla Guttmann treinou o São Paulo entre 1957 e 58 (Foto: Reprodução)

A crítica do técnico rubro-negro foi cirúrgica e o ponto em que JJ falou sobre a mente aberta para o aprendizado tem importância fundamental. Afinal de contas, não foi só agora que o Brasil recebeu técnicos estrangeiros – e alguns deles contribuíram de forma decisiva para a maneira que consagrou mundialmente a nossa forma de jogar.

No final da década de 30, o Flamengo protagonizou situação ligeiramente parecida ao que acontece atualmente: contratou o húngaro Dori Kürschner e irritou profundamente o brasileiro Flávio Costa – que ocupava a área técnica.

Kürschner, que por aqui seria erradamente chamado de Kruschner, é tido como o treinador que sedimentou de vez as bases do sistema “WM” por nossas bandas – embora técnicos como o próprio Costa chamassem para si esta glória.

Na década de 50, Béla Guttmann, também húngaro, era treinador do mítico Honvéd e em meio a uma turnê que o time fez enquanto fugia dos problemas políticos que assolavam o país, decidiu ficar pelo Brasil.

Guttmann foi campeão no São Paulo e evoluiu de vez o “WM” para o 4-2-4 que encontrou na seleção brasileira campeã de 1958 o seu manequim perfeito. Vicente Feola foi o primeiro técnico campeão mundial com o Brasil. Feola foi auxiliar do húngaro no Tricolor Paulista.

Daqui para o mundo

O futebol mostrado pela seleção campeã mundial na Suécia encantou o mundo e consagrou de vez o 4-2-4. Na Rússia, a obsessão passou a ser formar um meio-campista tão completo quanto Didi e um ponta tão único quanto Garrincha. Eles não demoraram para ver que era algo impossível.

Paulo Amaral Juventus
Paulo Amaral Juventus
Paulo Amaral, o único brasileiro a ter comandado a Juventus (Foto: Reprodução)

Ao redor de boa parte da Europa, contudo, o interesse em profissionais brasileiros aumentou consideravelmente. Paulo Amaral, preparador físico do Botafogo e da seleção, foi contratado para treinar a Juventus e foi vice-campeão italiano em 1962-63. É, até hoje, o único brasileiro a ter comandado a Velha Senhora.

O brasileiro Otto Glória já estava em Portugal na primeira metade dos anos 50, depois de passagens por Vasco e América. Lá, treinou os maiores times e, em 1966, levou a seleção lusa à sua melhor campanha em Copas do Mundo até hoje: ficou na terceira posição. Depois ainda teve passagem pelo Atlético de Madrid.

O ciclo do querer aprender

Na década de 70, treinadores brasileiros desbravaram o futebol árabe e outros cantos da Ásia. O espaço na Europa, apesar das citações feitas por Jorge Jesus em sua entrevista coletiva, foi diminuindo ao longo dos anos e a impressão foi de que o jogo visto aqui no Brasil poderia ter evoluído mais – apesar da diferença maior em relação aos europeus, especialmente econômica, a partir dos anos 90.

Jorge Jesus pode até não ter vindo para ensinar, como fez questão de dizer, e de fato tem o melhor elenco do Brasil. Mas é inegável que o seu Flamengo joga em outro ritmo na comparação com os demais.

Hoje o sarrafo aumentou e quem não quiser ficar atrás precisa se movimentar para acompanhar. Como? Abrir a cabeça para buscar cada vez mais aprendizado é um dos principais elementos.

O futebol mudou e muda com rapidez incrível. Fechar as fronteiras por medo ou proteção só contribui para a manutenção da mediocridade. O Brasil já se beneficiou e também contribuiu com intercâmbio de ideias que cerca o mundo da bola.

Leia também