Joia do Palmeiras, Gabriel Menino quer fechar temporada com chave de ouro no Maracanã

Rodrigo ALMONACID
·4 minuto de leitura
(ARQUIVO) Nesta foto de 15 de dezembro de 2020, o jogador do Palmeiras Gabriel Menino comemora depois de marcar contra o Libertad do Paraguai nas quartas de final da Libertadores no estádio Allianz Parque, em São Paulo

Em uma temporada, ele conquistou três feitos, que no sábado podem se tornar quatro: Tite o convocou para a seleção brasileira, ergueu seu primeiro troféu e se tornou titular absoluto do Palmeiras. Agora Gabriel Menino está "ansioso" para vencer a Libertadores no sábado contra o Santos, o que seria a cereja do bolo para uma joia do 'Verdão'.

"Estou me sentindo muito ansioso, muito efusivo, parece que o tempo não passa para jogar essa grande partida, que acho que não tem favoritismo, acho que são duas excelentes equipes, que fizeram por merecer. Vamos lutar muito para a gente conseguir esse título da Libertadores", disse à AFP o versátil jogador de 20 anos.

Menino se firmou como jogador profissional em sua primeira temporada no Palmeiras, após se destacar nas divisões de base. O ano de 2020, que para milhões de pessoas foi um pesadelo, para ele foi o prêmio pelo trabalho árduo e talento inato.

Estreou há um ano na Florida Cup, torneio amistoso vencido pelo Palmeiras nos Estados Unidos, depois de ter participado em 2019 com uma insípida seleção brasileira no Sul-Americano Sub-20 no Chile, no qual o Brasil acabou ficando de fora do Mundial na Polônia.

Em solo americano, ele preparou a terra para semear as sementes que colheu ao longo de uma temporada atingida pela pandemia do coronavírus: conquistou o Campeonato Paulista. A final da Libertadores pode ser a maior recompensa.

"Quando a gente está na base a gente sonha estar, jogar, participar no profissional. Então como o Palmeiras e a maior equipe do mundo, sempre foi difícil (chegar ao time principal) porque tem excelentes jogadores, grandes jogadores que fizeram história no futebol brasileiro e no mundo", explica.

"Temos que agradecer muito a Deus por ter nos dado essa oportunidade de estar aqui, de mostrar nosso trabalho, de estar aqui como titular e vivendo tudo o que eu vivi, e agora brigando por três campeonatos. Isso nem passava pela minha cabeça", garante ele.

- Multifuncional -

O técnico Vanderlei Luxemburgo, demitido em outubro devido aos resultados ruins no Palmeiras, o usou como meia ou armador. Seu substituto, o português Abel Ferreira, fez o mesmo e em algumas ocasiões deu a ele a função de ala.

E Tite, técnico da seleção brasileira, surpreendeu quando o convocou como lateral, posição em que jogava nas categorias de base, substituindo o experiente Dani Alves, para o início das eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo em outubro, nas vitórias contra a Bolívia e o Peru.

Ele tinha 19 anos quando foi convocado pela primeira vez, algo que se repetiu na segunda rodada dupla das eliminatórias, quando o Brasil venceu Venezuela e Uruguai. Mas a covid-19 o afastou da delegação e com isso ele ainda não fez sua estreia na seleção principal.

"Agradeço a Deus, ao Palmeiras por ter me dado essa oportunidade porque eu luto cada dia mais para realizar os meus sonhos", diz ele.

Menino é o jovem de maior destaque de um Palmeiras que conseguiu mesclar a experiência de referências como o goleiro Weverton, o zagueiro paraguaio Gustavo Gómez e o atacante Luiz Adriano com o talento de promessas como Patrick de Paula, Danilo e Gabriel Veron.

A sinergia de jovens, veteranos e a chegada de Abel Ferreira consolidaram um time que luta em três frentes: a final da Libertadores contra o Santos, a Copa do Brasil contra o Grêmio e o Brasileirão, embora com poucas chances neste último.

No torneio continental, vencido pelo Palmeiras em 1999, chegou à final como o time com melhores resultados, apesar da clara superioridade do River Plate no jogo de volta (2-0) das semifinais, em que o Palmeiras acabou se classificando graças ao saldo de gols, (por ter vencido na ida por 3 a 0).

"Foi um jogo que a gente tem que esquecer", afirma Menino.

Suas boas atuações o colocaram no radar dos times europeus, segundo a imprensa brasileira. Mas o garoto da camisa 25 mantém a postura, a mesma com que conquistou o meio de campo alviverde.

"Acho que primeiro tenho que escrever uma história linda aqui no clube, deixar minha marca aqui, meus títulos", diz ele.

"Na hora certa, no momento certo, de Deus, eu vou estar em um grande clube da Europa. Um passo de cada vez", conclui Gabriel Menino.

raa/js/ol/aam