Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude: curling brasileiro mostra evolução, mas perde para Dinamarca

Brasileiros mostram bom desempenho, mas são superados pela competição (Foto: Valter França/COB)
Brasileiros mostram bom desempenho, mas são superados pela competição (Foto: Valter França/COB)


O Brasil fez a sua melhor exibição no curling nos Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude Lausanne 2020, mas o resultado não foi o esperado. Neste domingo, contra a Dinamarca, a equipe brasileira, formada por Vitor Melo, Michael Velve, Gabi Rogic Farias e Letícia Cid, chegou a vencer dois ends porém foi superada por 12 a 3. O placar, no entanto, não reflete o equilíbrio do jogo, em que os escandinavos abriram vantagem apenas no quarto (4 a 0) e no sexto (4 a 0) ends. Na quarta parcial, o Brasil teve a chance de fazer 1 a 0, mas ficou a centímetros de colocar a pedra na área central da casa.

– A vitória foi de quem errou menos. Nos ends que vencemos, conseguimos ser um pouco mais certeiros que eles. Mesmo no end em que eles marcaram 4, nós tivemos chance de fazer um ponto e, naquele momento, ficaria 4 a 3, um placar bem mais justo do que foi –declarou o técnico Márcio Cerquinho.

O jogo foi bem mais equilibrado do que os anteriores. Na primeira parcial, 2 a 0 para a Dinamarca. Na segunda, 2 a 0 para o Brasil. Na terceira, 2 a 0 para a Dinamarca e no quinto, 1 a 0 para o Brasil. Mas com o placar em 12 a 3, os brasileiros resolveram encerrar a partida.

Nesta segunda-feira, às 10h (horário de Brasília), o quarteto brasileiro enfrenta a Hungria. Já na terça, às 13h55, encerra a sua participação na fase de grupos diante dos anfitriões, os suíços.






Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também