Jogo ofensivo e 'acelerado': Entenda como pode ser o time do São Paulo com Marco Silva

Gabriel Santos
·4 minuto de leitura


O São Paulo iniciou conversas para contratar o técnico Marco Silva, que está sem clube desde que deixou o Everton, da Inglaterra. O português é conhecido por gostar de atuar no esquema 4-3-3 e ter um ataque veloz, com um meio muito versátil.

São Paulo conversa com argentino: Listamos 25 técnicos promissores sem clube

Foi assim que ele comandou os portugueses Estoril e Sporting, o grego Olympiacos e os ingleses Hull City, Watford e Everton.

SIMULE OS JOGOS DO SÃO PAULO NO BRASILEIRÃO

Trabalhos em Portugal foram bem avaliados
Depois de se aposentar como jogador, Marco Silva começou sua carreira no Estoril, de Portugal, na temporada 2011/2012. Lá, conquistou o acesso à elite portuguesa e classificou o clube para a Liga Europa. Ele ficou até maio de 2014, quando saiu para dirigir o Sporting.

- Ele é muito corajoso. Em Portugal, os times menores sempre jogam atrás, muito recuados, quando enfrentam os três grandes. Sendo sincero: jogam para não tomar goleada. Mas o Marco falava que a única chance de ganharmos deles era marcá-los em cima e atacá-los - disse o meia Evandro, à ESPN.

Já nesse primeiro trabalho, ele ficou conhecido pelos esquemas ofensivos, priorizando a posse de bola e as descidas rápidas ao ataque. No Sporting, Marco desenvolveu melhor o seu trabalho, onde conquistou a Taça de Portugal.

Marco Silva treinou o Sporting durante a conturbada presidência de Bruno de Carvalho e foi um dos 'alvos' do antigo presidente dos Leões. O treinador português disse 'adeus' ao Sporting em junho de 2015 debaixo de muita polemica. Em campo, o time era conhecido pela rapidez na transição ofensiva, contando com os gols de Slimani e as assistências de Bryan Ruíz, ex-Santos.

Marco fechou sua passagem em Portugal, se transferindo para o futebol grego. No Estoril, dirigiu o time em 115 jogos, com 53 vitórias, 30 empates e 32 derrotas. Já no Sporting, fez 53 partidas, com 32 vitórias, 14 empates e sete derrotas.

Passagem na Grécia foi marcada por virada no Arsenal
Marco chegou ao Olympiacos já reformulando a equipe na parte tática. Adotando o esquema 4-2-3-1, o time grego foi um sucesso. Ganhou as 17 primeiras rodadas do Campeonato Grego e foi campeão com 28 vitórias, um empate e uma derrota em 30 partidas. Na Champions League, ganhou do Arsenal, no Emirates.

Naquela partida, Marco mostrou novamente seu perfil ofensivo , colocando o atacante Finnbogasson, que marcou o gol da vitória aos 25 minutos do segundo tempo. Ali, jogando com um meio forte e um centroavante de referência, Marco começava a ganhar projeção na Europa.

Saiu da equipe grega com 48 jogos, sendo 48 vitórias, três empates e sete derrotas.

O novo 'Especial One'
​Depois da Grécia, Marco desembarcou na Inglaterra para comandar o Hull City, mas não conseguiu evitar o rebaixamento do clube. Uma característica que ficou marcada é a gestão humana e psicológica do seu elenco. Jogadores do Hull afirmam que ele aproveitava o tempo para conhecer seu elenco e lida com todos da mesma forma.

No entanto, a sua passagem mais marcante foi no Everton. Lá, Marco passou a alternar o 4-1-4-1 e o 4-2-3-1. No segundo esquema, os dois volantes eram sempre um mais marcador, como Gueye e um mais organizador, estilo de André Gomes. Na linha de três, Walcott e Bernard eram os atacantes de ponta, com o propósito de municiar Calvert-Lewin.

- O Marco Silva gostava que a equipe saísse jogando, puxava muito pelos meias, pois a bola tinha que passar por eles para fazer a equipe jogar. Ele queria que os pontas se movimentassem para criar os espaços para os laterais subirem, tanto por dentro como por fora - disse Leandro Salino, jogador comandado por ele no Olympiacos, ao site 'Bancada'.

Já quando atuava com somente um atacante, Marco escalava o Everton com André Gomes como único volante, tendo Sigurdsonn como armador junto com Davies. Neste esquema, Tosun era escalado como centroavante, já que é mais móvel que Lewin e auxilia mais o meio-campo.

O esquema e a disciplina tática fizessem com que Marco ficasse conhecido como o 'novo Special One', em referência ao técnico José Mourinho, treinador com passagens marcantes pelo futebol inglês.

Como o São Paulo pode jogar com Marco Silva?
Caso Marco desembarque no São Paulo, podemos esperar uma equipe muito tática e com uma transição veloz da defesa para o ataque.

Se preferir atuar no 4-1-4-1, pode montar uma equipe com Tchê Tchê fazendo a função de André Gomes, já que não costuma atuar com um volante mais marcador nessa tática. O único centroavante do time nesse estilo de jogo teria que se movimentar bem, características que Luciano é acostumado a realizar na equipe.

Se jogar no 4-2-3-1, o São Paulo terá mais um volante de marcação, sendo provável que Luan execute essa tarefa. A linha de três poderia ser formada com Sara, Igor Gomes e até Toro, o mais veloz dos atacantes são-paulinos. No ataque, Luciano deveria ser o centroavante, ou até Pablo, já que o camisa nove atua mais fixo do que o companheiro.

O São Paulo segue em busca do novo técnico. Marco Silva foi um dos entrevistados e surge como bom nome para comandar a equipe. Resta saber os próximos passos da negociação.