Jogo da Champions entre Atalanta e Valencia foi "uma bomba biológica", diz prefeito

Goal.com

A Atalanta participa pela primeira vez da Liga dos Campeões da UEFA e já faz uma campanha histórica em 2019/20. O clube se classificou para as quartas de final do torneio depois de avançar contra o Valencia nas oitavas. Mas foi justamente o jogo de ida contra o time espanhol a ter se tornado alvo de polêmicas.

Giorgio Gori, prefeito de Bérgamo, cidade da Atalanta, afirmou que diversos casos do novo coronavírus começaram a aparecer na cidade após a realização da partida. "Foi uma bomba biológica", afirmou o político. "Naquele momento, não sabíamos o que estava acontecendo. O primeiro paciente na Itália apareceu em 23 de feveiro". A partida foi no dia 19 de fevereiro.

"Se o vírus já circulava, os quarenta mil torcedores que estavam lá foram infectados. Ninguém sabia que o vírus já circulava por aqui. Muitos viram a partida em grupos e houve muito contato entre as pessoas. O vírus passou entre elas", completou o prefeito, cuja teoria já vinha sendo discutida nos últimos dias.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Vale lembrar que o jogo foi disputado em Milão, no Estádio San Siro. Além de ter mais capacidade para uma partida tão importante, o estádio da Atalanta passa por algumas reformas. Os italianos venceram aquele jogo por 4 a 1.

Há um caso de coronavírus no elenco da Atalanta: foi confirmado o goleiro Marco Sportiello testou positivo para o Covid-19. Ele não atuou na partida de ida, em Milão, mas foi o titular do time no jogo de volta, na Espanha. A segunda partida foi disputada sem a presença do público.

Tanto a Liga dos Campeões quanto a Serie A, campeonatos em disputa pelo time de Bérgamo, estão paralisados no momento. Não há uma previsão para que estes campeonatos sejam retomados. O sonho do time se tornou um grande pesadelo.

A Lombardia, região de Milão e Bérgamo, é a mais afetada pelo coronavírus na Itália. Ao todo, o país já registra mais de 69 mil pessoas infectadas pelo vírus. De acordo com a Universidade John Hopkins, 6,7 mil pessoas faleceram na Itália por conta da pandemia.

Leia também