Jogadores do Valencia abandonam jogo contra o Cádiz após zagueiro relatar ofensa racista

Nathalia Almeida
·2 minuto de leitura

Mal que infelizmente testemunhamos em todos os campos e espaços da vida cotidiana, o racismo segue fazendo vítimas também no meio esportivo. Na tarde deste domingo (4), o duelo entre Cádiz e Valencia, válido pela 29ª rodada de LaLiga, ficou paralisado por um longo período após confusão de grandes proporções entre Juan Cala (Cádiz) e Mouctar Diakhaby (Valencia). O desentendimento, no entanto, parece ter ultrapassado todos os limites aceitáveis.

De acordo com relatos do zagueiro valencianista, Juan Cala usou expressões e xingamentos de cunho racista, o que lhe gerou imediata revolta. Diakhaby, então, se dirigiu ao árbitro do jogo reivindicando alguma atitude disciplinar, o que não aconteceu. Foi então que, em solidariedade ao companheiro de equipe, todos os jogadores do Valencia se recusaram a seguir a partida e deixaram o gramado por longos minutos.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Nos vestiários, os jogadores valencianos deliberaram sobre qual atitude tomar e resolveram, em conjunto, retornar ao gramado para seguir o jogo: "A equipe se reuniu no vestiário e decidiu voltar a campo e lutar pelo escudo, mas firma na condenação ao racismo em todas as suas formas. Não ao racismo! Nosso total apoio a Diakhaby. O jogador, que recebeu um insulto racista, pediu aos seus companheiros que voltem ao campo para lutar. Todos estão contigo, Mouctar", publicou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Diakhaby acabou sendo substituído ainda no intervalo pelo técnico Javi Gracia, movimento pensado pela comissão técnica no intuito de preservar o defensor. Até o fechamento deste artigo, o placar apontava empate em 1 a 1 entre os dois rivais.