Jogadores do Irã não foram pressionados por não cantarem hino na estreia, diz Taremi

Mehdi Taremi durante entrevista coletiva em Doha

Por Shady Amir

AL RAYYAN, Catar (Reuters) - O atacante da seleção do Irã Mehdi Taremi disse que a equipe não estava sob pressão depois que os jogadores se recusaram a cantar o hino nacional em sua primeira partida na Copa do Mundo contra a Inglaterra.

A decisão da seleção iraniana de não cantar o hino na segunda-feira em uma aparente manifestação de apoio aos protestos em casa foi manchete em todo o mundo.

Os jogadores ficaram em silêncio enquanto o hino tocava no Estádio Internacional Khalifa, enquanto seus torcedores gritavam e faziam gestos de desespero.

O Irã foi abalado por mais de dois meses de protestos provocados pela morte de uma jovem mulher sob custódia da polícia moral do país, em um dos maiores desafios aos líderes clericais iranianos desde a Revolução Islâmica de 1979.

A televisão estatal iraniana cortou a transmissão ao vivo da partida enquanto os jogadores faziam fila antes do jogo para o hino.

"Eu disse antes que não vou responder a tais perguntas, mas desta vez vou responder", disse Taremi em uma coletiva de imprensa na quinta-feira, véspera do segundo jogo da equipe contra o País de Gales.

"Não estamos sob pressão. Em um torneio de futebol, os jornalistas de futebol devem ser respeitados e tudo o que não tem nada a ver com futebol deve ser deixado de lado."

A coletiva de imprensa durou pouco mais de 30 minutos, com perguntas sobre futebol ocupando menos de um terço do tempo, e os repórteres foram solicitados pelo gerente de mídia a deixar suas perguntas restantes sobre a situação no Irã para após o jogo.

O técnico do Irã, Carlos Queiroz, disse que a mídia tinha o direito de fazer perguntas sobre a política em torno dos jogos.

"É justo continuar a fazer perguntas políticas? É a liberdade de imprensa e é nosso direito de não responder e respeitar e compreender nossa posição", disse o português.

"Outros devem respeitar 3.000 anos de história (iraniana), cultura, história e ciência. Os iranianos são educados e humildes e amam o que outros cidadãos do mundo inteiro gostam."

O treinador de 69 anos disse que era injusto que a mídia fizesse perguntas aos jogadores sobre os direitos humanos.

"É estranho que você não faça essas perguntas a outros treinadores e jogadores, alguns deles não falam sobre esses assuntos em seus países", disse Queiroz.

"Deixem os jogadores jogarem futebol como outros times, os jogadores não são inimigos dos torcedores."