Jogadores explicam tradição do futebol e paixão da torcida fora do top-6 da Europa

LANCE!
·3 minuto de leitura


O Brasil é o grande celeiro do futebol distribuído por todo o mundo. Estima-se, segundo estudo mais recente e realizado pela CIES Football Observatory em 2019, que há 466 brasileiros que atuam em 31 divisões nos campeonatos europeus. Entre muitos desses jogadores, alguns figuram fora das ligas super baladas no futebol europeu; conversamos com alguns deles para entender um pouco mais sobre a tradição do futebol nestes países.

RAPHAEL ROSSI - RADOMIAK RADOM - SUÍÇA E POLÔNIA

Emprestado pelo Sion, da Suíça, ao Radomiak Radom, da Polônia, Raphael Rossi construiu praticamente toda sua carreira profissional fora do Brasil. Com 30 anos de idade, o jogador esteve na Suíça por duas temporadas, quando assinou com o Sion FC, um dos clubes de grande tradição no futebol do país, com passagens por competições europeias como a badalada Champions League. Atualmente no futebol Polonês, Raphael fez um panorama dos dois países.

- O futebol cresce cada vez mais dentro dos dois países. Desde a minha chegada, pude perceber como este esporte move os torcedores, eles são muito fanáticos, acompanham o dia a dia e mostram muita paixão pelos seus respectivos times. As seleções nacionais têm grandes nomes, que figuram como atletas de muita importância em seus clubes, como Burki, no Borussia Dortmund, Xahka, no Arsenal, pelo lado da Suíça. Atualmente o melhor jogador do mundo é polonês (Robert Lewandowski), isso mostra como o futebol tem se tornado um grande expoente. - disse Raphael Rossi.

EDUARDO SANTOS - MKF KÁRVINA - REPÚBLICA TCHECA

Eduardo tem sido o grande destaque do MKF Kárvina na temporada. Titular em 28 jogos, dos 30 disputados pelo clube, Eduardo vive grande fase. O zagueiro comentou sobre a tradição e relembrou a surpresa quando pisou no país e se deparou com o grande nível profissional dos atletas e o carinho da torcida.

- Aqui na República Tcheca o futebol tem uma tradição muito forte e passam isso de pai para filho. É algo hereditário. Você consegue perceber a paixão que eles têm pelo esporte e a torcida faz uma festa linda no estádio. Algo que me surpreendeu muito quando cheguei. A atmosfera do jogo quando tem torcida, é completamente linda, ninguém para de cantar um minuto. Falando do futebol é um jogo muito mais corrido, disputado, com bastante divididas, os jogadores deixam a alma em campo - afirmou Eduardo.

JONATA - ALVERCA - PORTUGAL (CAMPEONATO DE PORTUGAL)

Jonata acumula passagens pelo futebol Português. O jogador vestiu a camisa do Braga B, Estoril e atualmente usa as cores do Alverca, clube que joga o Campeonato do Portugal. Para Jonata, a tradição do futebol português, a cultura do futebol e o amor pelo esporte são muito parecidos com o Brasil.

- As ligas menores de Portugal têm uma pressão muito grande. O torcedor sempre está por dentro de tudo e participa muito do dia a dia do clube. Pressão, competitividade, bons jogadores. A Federação Portuguesa é muito qualificada para desenvolver campeonatos muito bons e a torcida é a peça-chave para tudo isso fluir - disse Jonata.

VICENTE - GORNYAK SPORT - UCRÂNIA

Após voltar aos gramados depois de um ano e com uma belíssima história de superação, Vicente recomeça sua carreira no futebol ucraniano, pelo Gornyak Sport. Com passagens pela primeira divisão da Ucrânia e Albânia, Vicente falou sobre a paixão da torcida no país.

- Eu nunca vi nada igual. Pode estar - 10 graus, eles estarão sem camisa no estádio e cantando, empurrando o time os 90 minutos. É algo que eu nunca tinha visto antes, em toda minha carreira. Jogar aqui é muito bom. Competitividade das ligas é muito alta e fazer o que eu mais amo novamente, é um momento muito importante pra mim - afirmou o atleta.