Jogadores do Boca arrumam confusão com árbitro dentro de avião

Segundo informações do Diário Olé, jogadores do Boca Juniors provocaram a equipe de arbitragem que comandou o duelo da Supercopa argentina

Jogadores do Boca não gostaram da atuação do árbitro Fernando Rapallini que marcou um pênalti para o Racing no fim do jogo. Foto: Christopher Pike/Getty Images
Jogadores do Boca não gostaram da atuação do árbitro Fernando Rapallini que marcou um pênalti para o Racing no fim do jogo. Foto: Christopher Pike/Getty Images

Em confronto de argentinos, o Racing venceu um Boca e assim obteve o primeiro título da temporada 2023. A Academia ficou com a vitória por 2 a 1 frente aos Xeneizes, em jogo disputado nos Emirados Árabes Unidos, na disputa da primeira edição da Supercopa Argentina.

Fernando Rapallini árbitro da partida, foi um dos principais protagonistas do dia após anotar um pênalti de Agustín Sandez nos minutos finais do confronto.

Leia também:

O árbitro recebeu críticas de diversos setores e, como era de se esperar, principalmente dos jogadores e torcedores do Boca. Um dos mais irritados com a marcação foi o técnico Hugo Benjamín Ibarra quem apontou contra o árbitro em coletiva de imprensa.

“No final do jogo, houve uma situação de pênalti, que acho que o árbitro, pelo menos, deveria ter verificado. O mesmo critério deve ser usado: não anotaram pênalti no campo do Racing. Não podemos mais reclamar.”

Mas a situação estava longe de acabar. Como já se sabia, tanto as delegações quanto os árbitros e staff da Liga Profissional compartilharam o mesmo avião para voltar de Abu Dhabi.

Quando se instalou o receio de um possível embate entre os jogadores das duas equipas (tendo em conta o historial do Troféu dos Campeões), discutiu-se, mas com mudança de protagonista.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Quem passou apuros foi o árbitro Fernando Rapallini. Conforme noticiado pelo jornal esportivo Olé, membros da delegação do Boca impediram que ele se sentasse em seu lugar. “Você não pode vir aqui, isso é só para nós. Não podem viajar para cá”, brecaram os Xeneizes, apesar de muitos dos passageiros terem os seus bilhetes com lugares numerados para aquela parte do avião.

“Nesse momento iniciou-se uma troca de palavras entre os jogadores e as pessoas que para lá tinham de se deslocar, que bem lhes explicaram que aqueles lugares não eram só para eles. No meio da discussão, alguns integrantes dos dez árbitros (sim, foram dez) passaram na frente dos jogadores, que também queriam ocupar seus lugares. Foi quando do fundo do avião, surgiu o grito de outro jogador do time. 'E se não sairmos, vocês vão marcar pênalti?'”, completou o relato do periódico argentino.

Por fim, ao expressar qual era a solução final, o meio de comunicação sentenciou: “Os jogadores, os membros da comissão técnica, os membros do Conselho (incluindo Juan Román Riquelme) e alguns dirigentes estavam sentados sozinhos no fundo e o restante dos que foram designados para esses assentos teve que se mudar para a frente com os jogadores do Racing e alguns funcionários da Aerolíneas Argentinas que também vieram no voo”.