De jogador virtual para comentarista: 'Muuh Pro' analisa desafios no 'Futebol de Casa'

Rodrigo Souza*
LANCE!


Em tempos de isolamento social e com os campeonatos suspensos, os fãs de esporte tentam matar a saudade através do mundo virtual. De uma forma diferente e divertida, o torneio ‘FC: Futebol de Casa’ vai reaproximar ídolos e torcedores, mas através dos jogos virtuais. Grandes clubes do Brasil serão representados por alguns dos seus craques, durante três semanas.

Serão seis jogadores por semana. Na primeira, entram no gramado virtual o atacante Gabigol, do Flamengo; o meia venezuelano Soteldo, do Santos; o zagueiro Bruno Fuchs, do Internacional; o atacante Talles Magno, do Vasco; o lateral-direito Guga, do Atlético-MG; e o atacante Anthony, do São Paulo.

O torneio começa nesta quinta-feira, a partir das 17h30 (de Brasília), com transmissões do SporTV e tempo real no portal do Globo Esporte. E se a bola vai rolar nos gramados virtuais, não pode faltar narração e comentários. Para comandar as partidas foram escalados o narrador Everaldo Marques e o comentarista Murilo, mais conhecido como ‘Muuh Pro’. Ao LANCE!, ele falou sobre como irá encarar o desafio.

- Sempre levo tudo que aparece para mim com muito profissionalismo. É um projeto grande, com jogadores profissionais e para a TV, e estou levando tudo bem a sério, mas também mantendo a diversão. Quando estamos comentando as partidas, os jogadores estão ouvindo e a concentração é total – disse.

O ‘Muuh Pro’ é dono do maior canal de futebol eletrônico do YouTube no Brasil. Com mais de 2,7 milhões de inscritos, Murilo foi o escolhido para o projeto, que é uma iniciativa da Globo, utilizando o game eFootball PES. Acostumado a jogar as partidas e ser julgado pelo público, Murilo viverá outra situação: será o comentaristas e irá avaliar os craques que ele costuma comandar virtualmente.

- Isso é o mais louco. Sair do mundo virtual e ver os jogadores na vida real. Estava conversando com o Bruno Fuchs, do Internacional, e brinquei que ele tinha me colocado no bolso, já que jogo como centroavante do São Paulo. Agradeci ao Antony por ele ter me dado três assistências e ele riu. É muito louco ver esses caras no videogame e, agora, ter a oportunidade de conversar com eles na vida real – afirmou Murilo que revelou que a dificuldade de comentar é maior do que jogar.

- Os dois são bem difíceis. Já tive a oportunidade de jogar para uma plateia e, agora, estou tendo a de comentar para a TV. Acredito que comentar seja um pouco mais difícil, porque eu não psoso errar, já que não tem edição. Preciso ter correção nas minhas colocações e não posso ‘comer’ palavras, então comentar é um pouco mais desafiador do que jogar. Se eu errar jogando, eu erro para mim, mas se eu errar no comentário, estaria prejudicando a transmissão e uma equipe inteira – explicou.

O torneio será disputado em confrontos eliminatórios de 15 minutos. Os craques serão divididos em dois grupos com três jogadores cada. Dentro dos grupos, todos jogam contra todos e os dois melhores de cada avançam para as semifinais, que definem os dois finalistas. O vencedor fica como detentor do ‘Controle de Ouro’ e será desafiado pelo ganhador da semana seguinte, sempre aos domingos. A cada semana um novo jogador substituirá o vencedor do ‘Controle de Ouro’ na disputa. O grande campeão será o jogador que vencer o desafio ao fim da terceira semana. Murilo avaliou o formato do torneio e comentou sobre a expectativa.

- A expectativa é altíssima. O nível dos jogadores não é o mesmo dos pro players, mas isso deixa o campeonato até mais divertido, já que algumas ocasiões fogem do normal em relação ao que vemos nos torneios. Por lá, as jogadinhas são basicamente as mesmas, no ‘FC: Futebol de Casa’ é muito variado. Temos jogadores que tiveram pouco contato com o jogo, mas tiveram experiência no jogo real, então eles sabem o que fazer com a bola. Quando eles recebem a bola, tentam fazer aquilo que fariam na realidade. Isso vai ser legal de ver. O formato é sensacional, com duas tabelas com três jogadores cada. O mais legal é o ‘Controle de Ouro’, já que o campeão da semana desafia o campeão da semana anterior – avaliou.

Oportunidade e o crescimento do mercado dos games

















Murilo - Muuh Pro
Murilo - Muuh Pro
Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Muuh Pro tem 2,7 milhões de inscritos no YouTube (Foto: Divulgação)

Com a suspensão dos campeonatos, os atletas aproveitaram o tempo em casa para exibirem suas habilidades com os jogos virtuais. Murilo acredita que o momento pode abrir portas para ações mais regulares com nomes importantes do esporte e revelou o motivo de ter aceitado a proposta da Globo para comentar o torneio.

- A ideia do ‘FC: Futebol de Casa’ é sensacional. Quando recebi o convite, topei na hora, porque acredito que faltava esse tipo de iniciativa, de fazer um campeonato com os jogadores. Tem sido muito divertido ver os participantes jogando entre eles, trocando ideia em um ambiente totalmente amigável. Se fosse em campo, com certeza estariam dando a vida pelo time, mas no futebol virtual, estão se divertindo, na resenha. Espero que as pessoas gostem deste torneio e que ele possa acontecer mais vezes, porque é um mercado muito legal a ser explorado. Principalmente quando envolve jogadores da vida real – analisou Murilo que também comentou sobre o cenário do mercado dos jogos eletrônicos no país.

- O mercado dos games é o que mais gera dinheiro na atualidade, mais até que o cinema e a música. Os jogos têm vendido muito e vejo isso como algo muito legal. Como produtor de conteúdo, quanto mais jogos estiverem no mercado e mais pessoas estiverem consumindo esses jogos, melhor. Mas pode melhorar? Com certeza. Principalmente com relação aos campeonatos. Os jogos de futebol precisam ter mais campeonatos. A grande melhoria no momento seria termos mais campeonatos de futebol virtual no Brasil, para que o mercado cresça ainda mais – afirmou.

Por trás do youtuber de futebol eletrônico mais conhecido do Brasil, existe também um coração coxa-branca. Murilo é torcedor do Coritiba, mesmo tendo um ciclo de amigos com mais atleticanos, e costuma a ir sempre aos estádios acompanhar o seu time do coração, mas ressaltou que não é fanático e que também torce pelo futebol.

- Eu gosto bastante do meu time. Sou torcedor do Coritiba, sou coxa-branca. Vou sempre aos estádios, mas confesso que não sou fanático. A maioria dos meus amigos é de atleticanos, por exemplo. Eu gosto do futebol, do esporte. Claro que quando o Coritiba está em campo, vou torcer por ele, mas não apoio nenhum tipo de fanatismo. O esporte sempre vence, muito mais pelo espetáculo do que pelo time em si – finalizou.

*Estagiário sob supervisão de Tadeu Rocha










Leia também