João Menezes lamenta perda de patrocinadores, mas mostra entusiasmo em defender o Brasil nas Olimpíadas

·3 minuto de leitura
UBERABA, BRAZIL - AUGUST 03: Tennis Player Joao Menezes plays a forehand during a training session amidst the coronavirus (COVID-19) pandemic on August 3, 2020 in Uberaba, Brazil. Joao won the gold medal at the Pan American Games in Lima in 2019 and is qualified for the Tokyo Olympics. (Photo by Buda Mendes/Getty Images)
João Menezes durante sessão de treino em Uberaba, Minas Gerais (Buda Mendes/Getty Images)

Medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima, em 2019, João Menezes é o representante brasileiro na chave de simples do tênis masculino nas Olimpíadas de Tóquio. Embora não esconda o entusiasmo com a sua presença na competição, o tenista é mais um dos atletas que perderam parte dos seus patrocínios, por conta da pandemia da Covid-19.

Até o momento, três empresas deixaram de patrociná-lo, situação que pode ter atrapalhado fora das quadras, mas que ele prefere deixar de lado, para não atrapalhar sua reta final da sua preparação.

Leia também:

- Durante a pandemia, um patrocínio cortou o investimento e outro rescindiu por conta deste momento. Outro contrato terminou também. Financeiramente, esse foi o grande impacto da pandemia, mas estou muito entusiasmado para conseguir jogar bem, para conseguir dar o meu melhor. Os Jogos Pan-Americanos de 2019 foram a melhor experiência da minha vida e na Olimpíada penso que será um sentimento ainda maior, porque é onde todo atleta almeja estar. Não vejo a hora de chegar e vou dar muito duro para estar bem.

Fora das quadras, João vê a sua rotina afetada por conta da pandemia, embora ele tenha aproveitado para ficar em casa com a família. Profissionalmente, ele fala como foi a sua adaptação à nova realidade.

- A pandemia, com certeza, afetou a minha rotina pessoal e profissional. Teve o período de quarentena, quando tudo ficou fechado e acabei perdendo forma física. Entretanto, pude me aproximar da minha família. Há muito tempo que não ficava por muitos dias em casa. Foi preciso adaptar os treinos. Com o distanciamento social todo mundo com o álcool em gel e sem aglomeração. É um novo mundo que estamos vivendo desde o ano passado. Tomara que tudo possa voltar ao que era com a vacinação.

Embora a pandemia tenha atrapalhado a preparação de todos os atletas, João Menezes não acredita que o nível do torneio olímpico será afetado. Para ele, um desempenho inferior de um atleta será algo pontual e não de todos.

- Eu diria que o nível da competição não sofrerá por conta da pandemia. Porém, é preciso ver como os jogadores encararam esse período sem jogos. Isso pode acontecer com um ou outro jogador, mas não com todos. Com certeza, a competição continuará com um nível alto.

Sobre o desempenho atual do tênis brasileira, João acredita que o país, em breve, poderá voltar a ter representantes nas melhores posições do ranking mundial. Atualmente, o Brasil tem apenas um representante entre os 100 melhores do mundo, que é Thiago Monteiro, em 76º. Menezes está na posição de número 201.

- A gente já sabe que o tênis brasileiro não vive o seu melhor momento. São poucos jogadores que estão na parte de cima do ranking. É um fator que precisamos lutar para reverter, mas estão chegando nomes que, futuramente, podem trazer bons resultados para o Brasil. No trabalho do dia a dia, será possível mostrar até onde cada um pode chegar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos