Jesus, pagamentos e volta ao Ninho: as atuais indefinições no Flamengo

Lazlo Dalfovo
LANCE!


Não é novidade afirmar que as conversas pela renovação de Jorge Jesus são prioridades no Flamengo desde a conquista da Recopa Sul-Americana, ao fim de fevereiro. Desde então, o clube acelerou as tratativas, mas viu a pandemia do novo coronavírus causar contratempos, naturais, inclusive em outros campos, como os salários dos funcionários e discussões quanto ao calendário.

As indefinições não são poucas.

Em relação a Jesus, cujo contrato expira em meados de junho, o Flamengo já vê o zumbido da panela de pressão se aproximar, uma vez que o estafe do técnico, que pode apresentar sondagens da Europa, quer definir a situação o quanto antes. O Rubro-Negro, por sua vez, terá que ver o Mister ceder parte do pedido anteriormente, tendo em vista o valor colossal em que se encontra o euro (que, na cotação mais recente, equivale a R$ 5,97).

Marcos Braz, vice-presidente de futebol do Fla, comentou sobre:

- O Flamengo vai tentar mais uma vez renovar com o Jorge, vai fazer a parte dele. Todos os esforços serão feitos de novo. O presidente Landim autorizou. Mas aconteceu essa situação no mundo (a pandemia). O Euro vai para mais de R$ 6. Isso é um fator ruim. Estamos analisando várias situações. Vamos fazer a nossa parte, mas não depende só do Flamengo. Dependemos também do Jorge entender o momento - disse Braz, em entrevista concedida à FLA TV, no último sábado (veja mais aqui).

SOBRE PAGAMENTOS










Ninho do Urubu
Ninho do Urubu
Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Funcionários do departamento do futebol já encerraram as férias, mas estão desprendidos de suas funções (Foto: Alexandre Vidal / Flamengo)

A folha de abril fechará com os pagamentos integrais, conforme citado primeiramente pelo site do "Globo Esporte". No entanto, ainda há reuniões internas para uma saída caso o calo aperte nos próximos dias.

O Flamengo aguarda os rumos quanto à pandemia no país, mas é possível que, para todos os funcionários que recebam acima de R$ 4 mil mensais, haja um corte geral. Os possíveis primeiros afetados ainda não estão estabelecidos.

Cabe lembrar que, além de não poder com a receita de bilheteria, o clube sofreu dois baques recentes: a rescisão unilateral do Azeite Royal, cujo patrocínio garantia estampa no calção dos uniformes, e o atraso da parcela semestral da Adidas. Um empréstimo de R$ 40 milhões foi uma saída do Fla para honrar com os seus compromissos - como as compras de jogadores.




E A VOLTA AO NINHO?

Também não há resposta concreta. O elenco rubro-negro está de férias até o dia 30, e Jorge Jesus volta ao Brasil dia 1º maio. Contudo, o clube não acredita que as atividades no Ninho do Urubu retornarão a partir da próxima semana.

De acordo com a "Veja Rio", o prefeito do Rio de Janeiro, Marcello Crivella, ampliará o período de quarentena na cidade por tempo indeterminado. Assim, o Flamengo e os demais clubes cariocas aguardam as próximas determinações, assim como as do governo do estado.

Por falar nos clubes cariocas, junto à Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj), já houve a elaboração de um protocolo de segurança, batizado de "Jogo Seguro", para que os atletas possam retornar às atividades diárias com protocolos e garantias de segurança, mesmo com a pandemia no estado.

QUANTO AO CARIOCA...







Gabigol Boavista x Flamengo
Gabigol Boavista x Flamengo

Flamengo levou a Taça Guanabara. Carioca foi congelado depois da 3ª rodada da Taça Rio (Foto: Marcelo Cortes / Flamengo) 

O preparador físico do Flamengo Márcio Monteiro, também à FLA TV, externou que 15 dias seria um prazo razoável para os atletas retomarem a "a forma física ideal". Apesar de, cada vez mais parecer que a sequência do Campeonato Carioca é inviável no calendário, Rubens Lopes, presidente da Ferj, assegurou que o campeão será conhecido no campo e que é possível a edição ser disputada simultaneamente com outras competições ao longo de 2020.

- Não importa que seja em maio, junho, julho... O Carioca vai acabar dentro de campo. Esta foi uma decisão da qual a FFERJ participou e que foi, na verdade, decidida por unanimidade entre os clubes - comentou Lopes (veja mais aqui).


Leia também