Jesualdo critica "desigualdade desportiva" para início do Brasileirão e aponta responsável por tal situação

Fabio Utz
·2 minuto de leitura

Foi no dia 1º de julho que os times do Estado de São Paulo tiveram a oportunidade de voltar a treinar. Bem depois, por exemplos, que as equipes do Rio de Janeiro. E esta possível desigualdade de forças foi criticada pelo técnico do Santos, Jesualdo Ferreira.


Em coluna no jornal O Jogo, de Portugal, o profissional estabeleceu esta comparação, evidenciado prejuízos para a disputa do Campeonato Brasileiro, que tem início marcado para o final de semana de 8 e 9 de agosto. "Estamos perto de perceber quais os efeitos da desigualdade desportiva que se vão verificar, olhando ao tempo de trabalho que tiveram, por exemplo, os times do Rio de Janeiro, particularmente o Flamengo, que recomeçou em 18 de maio. As equipes de São Paulo constituem um quarto da tabela do Brasileirão, são cinco em 20 – Santos, Palmeiras, São Paulo, Corinthians e Bragantino, que representam o que há do melhor na história do futebol brasileiro", escreveu.


Na visão de Jesualdo, a Confederação Brasileira de Futebol não pode ficar isenta desta responsabilidade. Afinal, está se falando de clubes (exceção feira ao Red Bull Bragantino) que já foram campeões da Libertadores e que, portanto, levam o nome do país mundo afora. "Mereciam mais atenção por parte da CBF, porque tenho a certeza que vamos estar num quadro de desigualdade com os nossos adversários que trabalham há mais tempo", concluiu. O Santos tem a volta do Paulistão como primeiro compromisso. O adversário da reestreia será o Santo André, mas a data do duelo ainda não está confirmada. Apenas se sabe que a competição será retomada no próximo dia 22.


Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique aqui.


Para mais notícias do Santos, clique aqui.