Japão declara emergência "curta e poderosa" em Tóquio e outros locais

Chang-Ran Kim
·2 minuto de leitura
Pedestres usando máscaras de proteção caminham em Tóquio durante pandemia de Covid-19

Por Chang-Ran Kim

TÓQUIO (Reuters) - O Japão declarou estados de emergência "curtos e poderosos" em Tóquio, Osaka e outras duas prefeituras nesta sexta-feira, e o país luta para conter uma pandemia de coronavírus que ganhou ímpeto a três meses da Olimpíada.

Pelas regras do novo estado de emergência de 25 de abril a 11 de maio, restaurantes, bares e casas de karaokê que servem álcool terão de fechar e grandes eventos esportivos serão realizados sem espectadores, disse o ministro da Economia, Yasutoshi Nishimura.

Em alguns casos, violar as restrições pode implicar em penalidades de uma lei recém-revista, disse ele.

"Definitivamente, temos que limitar a circulação de pessoas, e temos que fazê-lo de forma decisiva. Precisamos de medidas poderosas, curtas e direcionadas", afirmou, pedindo que as pessoas lembrem dos lockdowns da primavera anterior e fiquem em casa.

O primeiro-ministro, Yoshihide Suga, anunciou as novas restrições depois de elas serem aprovadas formalmente por uma força-tarefa do governo.

Lojas de departamentos, cinemas e outros pontos comerciais de mais de mil metros quadrados precisarão fechar, e se pedirá que as empresas permitam que as pessoas trabalhem em casa. As escolas permanecerão abertas.

O estado de emergência --uma terceira rodada que ainda inclui Kyoto e Hyogo-- contemplará quase um quarto da população e se estenderá aos feriados da "Semana Dourada", um golpe nos setores de turismo e serviços.

"Pediremos que iluminações e sinais de neon sejam desligados", disse a governadora de Tóquio, Yuriko Koike, em uma coletiva de imprensa.

"Ficará escuro de noite", disse ela, acrescentando que espera que a iniciativa desestimule as pessoas a sair neste período. Koike ainda pediu que pessoas de fora evitem ir à capital se possível.

Ate agora, o Japão conseguiu evitar a disseminação explosiva da pandemia que abala muitos países. O país soma cerca de 550 mil casos e 9.761 mortes, o que é consideravelmente inferior aos números vistos em outras grandes economias.

Mas a elevação mais recente de infecções provocou alarme em meio a uma disparada de casos de uma variante mutante e uma escassez crítica de equipes médicas e leitos hospitalares em algumas áreas. A campanha de vacinação japonesa continua lenta.

Na quinta-feira, os organizadores da Olimpíada disseram que um policial que ajudou o revezamento da tocha se tornou o primeiro participante do evento a ser diagnosticado com Covid-19.

(Por Chang-Ran Kim, Yoshifumi Takemoto, Sakura Murakami e Elaine Lies)