Jair revela ter arriscado em substituições e elogia Sassá, que garante: “meu lugar é jogar”

Apesar do elenco reduzido, treinador faz história no Alvinegro

O Botafogo estreou com vitória na fase de grupos da Libertadores, bateu o Estudiantes pela primeira vez em jogos oficiais e saiu do Estádio Nilton Santos comemorando a vitória. Os três pontos foram muito comemorados por todos no elenco, especialmente o técnico Jair Ventura, aniversariante do dia.

Desde que chegou ao estádio, o comandante – filho de Jairzinho e muito identificado com o clube de General Severiano – recebeu homenagens. Mas além da vitória, o seu grande presente foi ver as substituições feitas ao longo dos 90 minutos darem efeito. Uma delas foi a entrada de Sassá, jogador que havia sido afastado no início do ano, mas voltou e participou do gol marcado por Rodrigo Pimpão, que deu a vitória ao Alvinegro.

“Fico feliz que as substituições tenham dado certo. É gostoso, gratificante, para o treinador quando acontece. Mas nem sempre acontece. O mérito é todos dos atletas, são eles que correm, são eles que brigam”, disse o treinador, que seguiu.

“O Pimpão não está pelos gols dele não (risos), ele tem que se provar sempre, como todos. Ele tem muita velocidade, me dá uma recomposição tática muito boa e eu tive que arriscar, botar um ‘nove’, praticamente. O Sassá se tornou um ‘nove’ praticamente, para a gente ganhar força e velocidade, mas eu estava correndo um risco. Mas jogando em casa na Libertadores, a gente sabe que é um fator importantíssimo, então nós corremos esse risco. Entramos com o Sassá, fico muito feliz com a recuperação desse atleta, quem ganha é o Botafogo”.

Pimpão, aliás, dedicou o gol ao aniversariante do dia e destacou a dificuldade da partida: “É um cara que está fazendo por merecer, merece essa vitória em um dia tão especial para ele (...) Eu acho que a gente tem que tomar muito cuidado, a gente viu que Libertadores não é fácil. Então a gente vai buscar batalhar desde o início da partida, com a força da torcida, para que a gente consiga o resultado dentro de campo”, disse.

Sassá reconhece erros, mas garante que tudo está no passado

“Aqui no Botafogo eu sei o carinho que a torcida tem por mim, sei que no final do ano (2016) eu errei em algumas coisas, mas acho que agora estou mais maduro e não vou cometer mais esses erros. Agora espero ter uma crescente e voltar ao meu lugar, que é jogar”.

Camilo elogia força do grupos e torcedores

 “A gente foi feliz em imprimir o ritmo, aproveitamos as oportunidades e tivemos mais volumes. O importante é a vitória, somar em casa é muito importante. A gente está muito forte, e agradeço também ao torcedor”.