Ironizada como 'vacina chinesa', Coronavac será utilizada em 77% dos imunizados até abril no país

·2 minuto de leitura
Foto: AP Photo/Eraldo Peres
Foto: AP Photo/Eraldo Peres

***Por Vinicius Torres Freire, da Folhapress

Até o final de março, 77% das vacinas contra Covid-19 disponíveis no Brasil serão entregues pelo Instituto Butantan. São as Coronavac, chamadas por Jair Bolsonaro de "vacina chinesa do Doria". O peso do instituto paulista na oferta nacional de vacinas seria menor caso não fosse o fracasso na importação de 8 milhões de doses de vacinas do laboratório Serum, da Índia, e a frustração da entrega de pelo menos 11,2 milhões de vacinas pela Fiocruz. 

O instituto previa entregar 15 milhões de doses em março. Devido a uma falha na linha de produção e teste de vacinas, prevê entregar apenas 3,8 milhões de doses em março. Na Fiocruz, se diz que essa é uma estimativa "conservadora", mas apenas na segunda-feira será possível saber da capacidade de produzir e entregar mais doses. 

Leia também

De qualquer modo, ainda não há previsão de que o atraso de março possa ser recuperado em abril. A previsão de entrega de doses da vacina AstraZeneca/Oxford para o mês que vem continua a mesma. No cronograma do Ministério da Saúde, sobra ainda a previsão de entrega de 2,9 milhões de doses das vacinas da Covax para março. É tudo, por enquanto. Caso não cheguem as doses das Covax, o Butantan será responsável por 82% da vacinação no país, até o final de março. 

O Butantan diz que talvez possa antecipar a produção de vacinas para abril, doses do segundo contrato firmado com o governo federal. Eram 46 milhões de doses no primeiro acordo, que serão entregues até fim de abril, segundo o instituto, e mais 54 milhões do segundo contrato, produtos a serem entregues até o fim de agosto. Parte dessa encomenda talvez possa ser antecipada para abril. 

O governo federal quer comprar mais 30 milhões de doses de Coronavac do Butantan. O instituto negocia o contrato mas diz que, depois dessa leva de vacinas, quer ser liberado de contratos de exclusividade com o governo federal. Isto é, que possa vender vacinas para o governo paulista ou de outros estados e prefeituras. O governo do estado de São Paulo quer comprar 20 milhões de doses extras.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos