Jabá ainda conta com conselhos do Sheik para vingar no Corinthians

A distância do Corinthians não separou Emerson Sheik de Léo Jabá. O autor dos gols do título da Copa Libertadores da América de 2012 tem acompanhado o início da trajetória profissional do prata da casa que apadrinhou quando estava no clube do Parque São Jorge.

“Mantemos contato até hoje. Quando joguei contra o Palmeiras, o Emerson me chamou e deu os parabéns. Nas últimas semanas, ele está ficando mais em São Paulo. Com a rotina de treinos e jogos, ainda não pude encontrá-lo, mas mantemos contato, sim”, contou Léo Jabá, nesta segunda-feira, ao participar de um evento de Páscoa na sede social do Corinthians.

Jabá estreou como profissional em julho de 2015, em um amistoso contra o ABC, mas só veio a ser utilizado com regularidade entre o final da última temporada e a atual. Aos 18 anos, ele computa 15 jogos como corintiano, com um gol marcado, na vitória por 3 a 1 sobre o Linense.

“O Emerson tem falado para eu não me empolgar, manter a humildade, os pés no chão, e continuar trabalhando, porque esse é só o começo. Muita coisa ainda vai chegar”, comentou Jabá.

Emerson fala com a experiência de quem acumulou 157 partidas pelo Corinthians, 26 gols e os títulos do Campeonato Brasileiro em 2011, da Libertadores e do Mundial de Clubes em 2012 e do Campeonato Paulista e da Recopa Sul-Americana em 2013.

Desempregado desde que deixou o Flamengo, o Sheik não tem em Léo Jabá o seu único vínculo com o Corinthians. O atacante carioca de 38 anos é bem quisto pelos torcedores e chegou a alimentar o desejo de retornar ao Parque São Jorge nesta temporada, declarando que não havia sido tão feliz e realizado em outro clube.

“Ele é um cara que me ajudou muito, com conselhos, e fico bastante grato por tê-lo ao meu lado não só como um ídolo, mas também como um amigo”, exaltou Léo Jabá, que hoje disputa a titularidade na posição em que Emerson se destacou a serviço do Corinthians.

Bonde da ZL

Se Emerson não está mais por perto no dia a dia, Jabá conta com o apoio de alguns vizinhos para construir uma trajetória de sucesso no Corinthians. “O Arana, o Jô, o Maycon, o Léo Santos e eu somos todos da Zona Leste. O bonde é pesado”, sorriu o novato, orgulhoso de suas origens. “Estamos com esse negócio de fazer o “L” (sinaliza com os dedos polegar e indicador abertos) porque saímos de um bairro pobre, com muita gente não acreditando”, disse o afilhado do Sheik.