Júnior ‘Cigano’ relembra lesão grave e celebra retorno ao UFC: “Dose de adrenalina”

Em outubro de 2019, Júnior ‘Cigano’ sofreu um grande susto às vésperas de um combate. Escalado para encarar Alexander Volkov no UFC Moscow, o brasileiro foi obrigado a abandonar o card após ser diagnosticado com uma infecção bacteriana na perna. E ao relembrar do incidente, o ex-campeão peso-pesado do Ultimate admitiu que as consequências da lesão poderiam ter sido muito mais preocupantes para sua carreira.

Em entrevista ao site ‘MMA Fighting’, o brasileiro destacou que não tinha noção da gravidade da infecção até ser diagnosticado por um profissional. E prova disso é que Cigano ainda pensava que teria condições de se recuperar a tempo para lutar contra o gigante russo. Mas depois de ouvir a opinião dos médicos, o peso-pesado se deu conta de que ficaria um bom tempo afastado dos octógonos.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

“Foi extremamente sério. Passei uma semana no hospital pensando que seria liberado e lutaria (com o Volkov), mas o médico veio até mim e disse: ‘Você não entende o quão sério isso é’. Ele disse que eu tive sorte de ser saudável e que fui ao hospital em rápido, caso contrário eu poderia ter ido direto para a UTI. Eu poderia ter perdido a perna ou até morrido (caso demorasse para ir ao hospital)”, relembrou Júnior, antes de revelar o que lhe veio à cabeça no momento.

“Foi quando eu realmente entendi o quão grave era a situação. A primeira coisa que me veio à cabeça foram meus filhos e minha família, como somos frágeis. Eu estava me sentindo ótimo, forte, feliz, treinando para uma luta …. Tudo estava certo, e de repente isso acontece. Foi um golpe enorme”, completou o lutador de 35 anos.

Cerca de quatro meses após a lesão, Cigano está próximo de voltar à ativa. O brasileiro encara Curtis Blaydes na luta principal do UFC Raleigh, agendado para o dia 25 de janeiro. Após o ‘susto’ sofrido com a infecção na perna, o ex-campeão admitiu que seu retorno ao Ultimate serviu como uma injeção de ânimos e o motivou para galgar novamente até o topo da divisão.

“Foi como uma dose de adrenalina (aceitar essa luta). Não escolho oponentes e nunca escolherei. Estou aqui para lutar com os melhores porque realmente acredito que posso reconquistar o cinturão, e vou reconquistar. É questão de tempo e trabalho duro. Essa categoria é bem perigosa, então há muito trabalho a se fazer”, projetou Cigano.

Em sua trajetória como profissional, o brasileiro soma 21 vitórias e seis derrotas. Já Curtis, seu próximo rival, detém um cartel com 12 triunfos e dois reveses.

Leia também