"Já jogamos sem Neymar na Copa América e fomos campeões", diz Richarlison

·2 minuto de leitura
O atacante Richarlison durante uma coletiva de imprensa no complexo esportivo Granja Comary, em Teresópolis, no dia 10 de novembro de 2020
O atacante Richarlison durante uma coletiva de imprensa no complexo esportivo Granja Comary, em Teresópolis, no dia 10 de novembro de 2020

O Brasil vai sentir a ausência do lesionado Neymar no jogo contra a Venezuela na sexta-feira, mas a seleção tem qualidade para vencer sem ele, garantiu o atacante Richarlison nesta terça-feira.

"Já jogamos sem o Neymar na Copa América e fomos campeões. Claro que sentimos a ausência dele, porque é um jogador de extrema qualidade. Ele é o protagonista da Seleção", disse o atacante do Everton da Inglaterra em uma coletiva de imprensa virtual.

Mas "temos uma base e já sabemos o que temos que fazer, com ou sem ele. Agora é procurar dar o melhor para vencermos todos os jogos", acrescentou.

O camisa 10 do Brasil está descartado para o duelo contra a 'Vinotinto', em São Paulo, devido a uma lesão na coxa, mas pode enfrentar o Uruguai, em Montevidéu, na próxima terça-feira, ao final da dupla rodada das Eliminatórias Sul-Americanas rumo à Copa do Catar-2022.

Problemas físicos prejudicaram a carreira de sucesso de Neymar, segundo maior artilheiro da história da seleção brasileira com 64 gols, atrás apenas de Pelé, que marcou 77. Um rompimento no ligamento do tornozelo direito o impediu de participar da Copa América que o Brasil conquistou no ano passado como anfitrião.

Richarlison, Philippe Coutinho, Everton 'Cebolinha' e Roberto Firmino despontaram então como os atacantes na competição sul-americana. Sem Neymar e sem o também lesionado Coutinho, Tite pode repetir a fórmula contra os venezuelanos no Morumbi.

"Vamos ver o que o Tite vai falar durante os treinos. (...) Independente de quem for entrar, vamos brigar para honrar essa camisa e conquistar os três pontos", acrescentou Richarlison.

Normalmente utilizado em seu clube e na seleção como ponta, o jogador de 23 anos garantiu que se sente melhor como centroavante, posição em que iniciou sua carreira no América Mineiro.

"Independente da posição, vou ajudar ao máximo para fazer gols e contribuir para a seleção brasileira", acrescentou.

O Brasil lidera as Eliminatórias Sul-Americanas, com seis pontos, após duas vitórias: sobre a Bolívia (5-0) e o Peru (4-2). A Argentina tem o mesmo número de pontos mas um saldo inferior.

raa/mel/ma/aam