Islandês garante que não nocauteou rival para não prejudicá-lo: "Ele é modelo"

Gunnar Nelson (esq.) quis poupar Alan Jouban - Florian Sadler

Gunnar Nelson deu sequência ao seu bom momento na carreira com mais uma vitória no maior torneio de MMA do mundo. Diante de Alan Jouban, o islandês finalizou o adversário com uma guilhotina no segundo assalto e, de quebra, deixou o UFC Londres com o prêmio de ‘Performance da Noite’. Mas o mais interessante foi dito após o duelo, quando o companheiro de Conor McGregor comentou sua vitória.

Especialista em luta agarrada e jiu-jitsu, Nelson não pensou duas vezes quando teve a oportunidade de utilizar suas melhores credenciais para acabar com o combate. E, em entrevista a jornalistas após o evento, ele deixou claro que optou pelo caminho mais tranquilo para deixar o octógono com o braço levantado.

“Foi apenas a abertura mais óbvia para mim. Pensei que a maneira como foi acabou sendo a mais clínica, na verdade. Ao invés de correr para cima e jogar um monte de socos para conseguir o nocaute, ele já estava fora”, disse.

Mas Gunnar Nelson também aproveitou para, com bom humor, revelar algo curioso. De acordo com o islandês, a vitória por finalização também foi melhor para o seu oponente. Isso porque Jouban é considerado um dos atletas mais bonitos do Ultimate e inclusiva faz trabalhos como modelo para marcas de relógio e roupa.

“Não precisou que eu desse alguns socos no rosto dele. Ele é um cara bonito também. Ele é modelo. Não precisava disso”, brincou o islandês.

Com 16 vitórias, duas derrotas e um empate, Gunnar Nelson atualmente ocupa a nona colocação na divisão dos meio-médios (77 kg). Seu último revés foi para Demian Maia, em dezembro de 2015.