Irregular no Boliviano, mas avassalador contra o Peñarol. Quem é o rival do Palmeiras na Libertadores?

O Jorge Wilstermann, rival do Palmeiras nesta quarta-feira (15), pela segunda rodada do Grupo 5 da Copa Libertadores, no Allianz Parque, é uma incógnita. A oscilação dos bolivianos em 2017 transforma a forma de jogo da equipe em um mistério para o atual campeão brasileiro.

A equipe comandada pelo peruano Roberto Mosquera disputou oito jogos na atual temporada, sendo sete pelo torneio local, e um pela Copa Libertadores. No Campeonato Boliviano, foram duas vitórias, dois empates e três derrotas. São oito pontos conquistados em 21 possíveis. O aproveitamento é de 38,09%.

Na principal competição continental, por outro lado, o Jorge Wilstermann vem de uma goleada sobre o Peñarol, do Uruguai. A equipe boliviana aplicou 6 a 2 no estádio Félix Capriles, em Cochabamba.

Mas o que esperar do time boliviano no duelo contra o Palmeiras, nesta quarta-feira, em São Paulo? Alex Silva, zagueiro que faturou duas edições de Campeonato Brasileiro com o São Paulo, garante que o futebol no jogo válido pela segunda rodada do Grupo 5 será idêntico ao do duelo com o Peñarol:

"Esperamos um jogo muito difícil, mas vamos jogar como diante do Peñarol: marcando muito forte a saída de bola o tempo todo e tentando interceptar as jogadas no campo do Palmeiras para contra-atacar rápido", disse ao Globo Esporte.

Roberto Mosquera Thomaz Santos Jorge Wilstermann Peñarol Copa Libertadores 07032017


Roberto Mosquera é o técnico do Jorge Wilstermann (Foto: Aizar Raldes/AFP/Getty)

O brasileiro crê, inclusive, que o resultado obtido no debute da Copa Libertadores pode dar mais respeito ao time de Cochabamba:

"O grande resultado da nossa estreia vai fazer os adversários respeitarem um pouco mais o Jorge Wilstermann e nos dá confiança para enfrentar qualquer equipe de igual para igual", comentou.

"O resultado surpreendeu a todos, mas não a nós, jogadores. É claro que ninguém espera uma goleada de 6 a 2 diante de uma grande equipe, de tradição, principalmente na Libertadores. Mas fizemos o que tínhamos de fazer e aproveitamos nossas oportunidades. O futebol boliviano não é muito respeitado pelos estrangeiros, mas é muito rápido, pegado, sempre buscando o gol, e tem bons valores", acrescentou.