Intensidade, repetições e cobranças: o treino de 2h30 do Corinthians

Yago Rudá
LANCE!


O técnico Tiago Nunes tem a semana inteira livre para treinar o Corinthians visando o jogo de sábado, contra o Novorizontino, pela 9ª rodada do Campeonato Paulista. Na manhã desta segunda, o comandante fez uma atividade de mais de 2h30, cobrou muita intensidade de seus jogadores, e ajustou detalhes dos sistemas ofensivo e defensivo do Timão.

TABELA
>Confira a classificação atualizada do Campenato Paulista

Reforçado com o retorno de Danilo Avelar, Tiago Nunes dividiu o treino do Corinthians em três etapas. Na primeira delas, aquecimento com os preparadores físicos e depois uma atividade leve, em campo reduzido, com apenas dois toques na bola permitidos para cada um dos jogadores. Nesta parte, os goleiros treinaram com os pés e não havia competitividade.




Na segunda, com pouco mais da metade do campo sendo utilizada, a comissão técnica colocou os jogadores para se enfrentarem onze contra onze, mas com apenas dois pedidos: defesa compacta e marcação-pressão sem a posse da bola. O treinador utilizou todos os jogadores e os trocava a cada dois ou três minutos. Foi a parte mais intensa da atividade.

A proposta é fazer com que todos os jogadores entendam o estilo de jogo do Corinthians e estejam entrosados. Não houve definição de titulares ou reservas. O chileno Ángelo Araos, que nem sequer está inscrito no Campeonato Paulista jogou de meia armador, mais próximo dos atacantes, e se destacou em campo. Já Davó, de 20 anos, errou muitos passes e destoou dos demais.

Por fim, na última etapa do treino do Corinthians nesta segunda, um trabalho específico para o sistema defensivo e outro para o sistema ofensivo. De um lado do campo, os atacantes e meio-campistas calibraram a pontaria com o auxiliar Michel Huff. Os jogadores precisavam triangular, infiltrar na marcação adversária - representada por um cone - e finalizar cara a cara com os goleiros.

Na outra ponta do campo, Tiago Nunes deu atenção especial para a movimentação dos zagueiros e laterais. O treinador desenhou um funil no chão e não deixou a linha de defesa pisar fora desse funil. Conforme o ataque ia avançando, a zaga ia afunilando. A proposta era manter a formação, colocar os atacantes em posição de impedimento e não deixá-los finalizarem.

Esse exercício foi repetido a exaustão e, por isso, a atividade levou quase três horas para ser encerrada no CT Joaquim Grava. Terminado o treino, o lateral Lucas Piton permaneceu em campo e aperfeiçoou os cruzamentos. O zagueiro Gil ficou na pequena área sendo a referência de ataque e também aproveitou para treinar alguns cabeceios.

No sábado, às 19h, o Timão mede forças com o Novorizontino fora de casa. Lanterna do Grupo D, com apenas nove pontos ganhos em 24 disputados, o Alvinegro está sob pressão e corre risco de não se classificar para o mata-mata do estadual. Restam apenas quatro partidas para o fim da fase de grupos.










Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também