Indicado pelo scout, Marí é exemplo de contratação que trouxe retorno técnico e financeiro ao Flamengo

Lazlo Dalfovo e Matheus Dantas
LANCE!


Anunciado em julho de 2019 como reforço do Flamengo, o nome de Pablo Marí foi recebido com surpresa entre torcedores. Afinal, o zagueiro vinha atuando na segunda divisão espanhola e era pouco conhecido até então. Um ano depois, o camisa 4 deixou sua marca na história do Fla, com os títulos do Brasileirão e da Libertadores, e, negociado em definitivo com o Arsenal, também torna-se exemplo de uma contratação que trouxe retorno técnico e financeiro ao clube.

O retorno dentro das quatro linhas foi imediato. Marí rapidamente conquistou a confiança de Jorge Jesus e titular absoluto da equipe. Foram 30 jogos entre julho e dezembro de 2019, com 22 vitórias, cinco empates e três derrotas. O espanhol teve papel importante no histórico segundo semestre do Flamengo, sendo emprestado ao Arsenal, da Inglaterra, no início de 2020 por seis meses.

O empréstimo já indicava a compra em definitivo dos Gunners - oficializada nesta terça-feira. A direção não trabalhava com a possibilidade de retorno de Marí por conta dos valores envolvidos e as condições negociadas em janeiro.

Por 100% dos direitos econômicos, o Flamengo pagou R$ 5,313 milhões ao Manchester City em 2019, além de R$ 3,046 milhões ao empresário Arturo Canales - segundo o demonstrativo financeiro do clube da última temporada.

O empréstimo e a venda ao Arsenal, por outro lado, renderá ao Rubro-Negro um montante fixo de 8 milhões de euros. O desempenho de Marí nos Gunners pode impulsionar o negócio até 14 milhões de euros, segundo a imprensa inglesa, valor próximo a R$ 82 milhões de acordo com a cotação desta quarta.

O Fla mantém os valores em sigilo e os publicará no demonstrativo financeiro.









A VINDA DE MARÍ: CORAGEM PARA FAZER O MOVIMENTO DIFERENTE

"Zagueiro canhoto, com boa estatura e qualidade técnica para construir o jogo de trás": este foi o perfil pedido por Jorge Jesus à diretoria ao chegar no Flamengo. O departamento de scout do clube mapeou o mercado e encontrou Pablo Marí, que estava no La Coruña, da Espanha, e com o vínculo prestes a se encerrar com o gigante inglês Manchester City - o que tornou possível, financeiramente, a investida no defensor espanhol, até então pouco conhecido no Brasil.

Com o aval do Mister, Bruno Spindel e Marcos Braz - nomes fortes do futebol rubro-negro - foram atrás de Pablo Marí, e contaram com a coragem do zagueiro espanhol em aceitar o desafio de vir ao Brasil defender o Flamengo, como explicou o diretor em entrevista ao LANCE!.

- O Pablo, ao conhecer o projeto, teve a vontade e a coragem de fazer esse movimento diferente no futebol. Era um zagueiro do Manchester City, jogando no La Coruña, que não subiu por um gol, fez quase todos jogos nas três temporadas anteriores. Teve uma sensibilidade e coragem enorme de vir para cá. Nas conversas, na época, disse que estava focado no que faria no Flamengo, não no que aconteceria depois. Queria performar bem e conquistar no Fla, e não com as portas que seriam ou não abertas - afirmou Spindel, em março.

Desta forma, com a integração de vários setores que compõem o clube e o departamento de futebol, o Flamengo conseguiu contratar Pablo Marí, um exemplo de reforço que trouxe retorno técnico e financeiro ao clube. A sua saída já foi reposta com a chegada do zagueiro Léo Pereira, canhoto de 24 anos, negociado junto ao Athletico no início da temporada por R$ 30 milhões.








Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também