Indicada para ser ministra do esporte, Ana Moser lamenta morte de Pelé

Pelé morreu nesta quinta-feira, aos 82 anos (Arquivo Divulgação)


A ex-jogadora de vôlei Ana Moser, indicada nesta quinta-feira pelo presidente eleito Lula para o cargo de ministra do esporte, lamentou a morte de Pelé pelas redes sociais. A futura ministra lembrou da passagem do Rei do Futebol pelo cargo no governo de Fernando Henrique Cardoso.

- O que dizer desse dia, nessa hora? Quis o destino que no mesmo dia em que fui anunciada para o Ministério do Esporte, cadeira que primeiramente foi dele, há 24 anos, Pelé nos deixa - iniciou Ana Moser.

- Em meio a tristeza, fica a admiração e o respeito pelo atleta do século, o rei do futebol. E pelo cidadão que deu sua contribuição para a sociedade, que representou a qualidade e a força do povo brasileiro. Edson Arantes do Nascimento partiu, Pelé é eterno e continuará alegrando as novas gerações com seus gols! - completou a futura ministra.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

MORTE DE PELÉ
Pelé começou em 31 de agosto de 2021 o jogo da sua vida contra o câncer. Foi nesta data que o maior ídolo do futebol mundial, teve diagnosticado um tumor no cólon (intestino grosso) durante exames de rotina. Os procedimentos deveriam ter sido feitos pelo Rei no ano anterior, mas foram adiados por conta da pandemia da Covid-19.

Exatos quatro dias depois, Pelé passou por cirurgia no Hospital Albert Einstein, em São Paulo (SP) - o mesmo onde está internado agora -, para retirar o tumor. Durante a internação, ele foi levado algumas vezes para a UTI por, segundo boletim divulgado à época, 'instabilidade respiratória'. Pelé iniciou as sessões de quimioterapia logo após a cirurgia.

O ídolo voltou a ficar internado por 15 dias em dezembro, para realizar mais sessões de quimioterapia. Recebeu alta no dia 23 e festejou o fato nas redes sociais. 'Como eu havia lhes prometido, vou passar o Natal com a minha família. Estou voltando para casa', escreveu.

O Rei voltou a sofrer complicações em fevereiro deste ano, quando passou um tempo a mais internado durante nova sessão de quimioterapia por conta de uma infecção urinária. Além do câncer, Pelé sofre com sequelas de três cirurgias realizadas nos últimos anos. Colocou uma prótese no quadril e precisou passar por mais duas operações para correção. Desde então, com dores crônicas principalmente nos joelhos, ele passou e ter dificuldades de locomoção.