Improvisos dão certo e garantem Roger Machado com 100% de aproveitamento no Fluminense

Luca Garcia*
·3 minuto de leitura


Na noite deste sábado, o Fluminense venceu o Bangu por 1 a 0 e conquistou a segunda vitória consecutiva sob o comando de Roger Machado. Assim, o treinador, com 100% de aproveitamento, conseguiu os triunfos graças aos improvisos. No Fla-Flu, Igor Julião marcou o único gol da partida quando estava deslocado para o meio-campo. Já contra o Bangu, Ganso deixou o dele atuando de falso nove.

> Fluminense entrou no G-4 do Carioca. Confira a classificação do campeonato.

Embora o Tricolor não tenha apresentado um futebol vistoso nas duas partidas em que foi comandado por Roger Machado, por enquanto o saldo é positivo. São duas vitórias - entre elas o triunfo sobre o Flamengo - que fizeram o Fluminense sair da parte de baixo da tabela para o G-4 do Carioca.

Entretanto, até aqui, o que mais se destacou no trabalho de Roger foram os improvisos que deram certo. A começar pelo clássico contra o Flamengo. Na estreia do técnico, o time definitivamente não fez um bom jogo e venceu com poucas oportunidades criadas.

Porém, a mudança que Roger propôs a equipe, no segundo tempo, deu certo. Na altura dos 20 minutos, Michel Araújo deu lugar ao lateral-direito Daniel e, com isso, Igor Julião foi deslocado para o meio-campo e fez o golaço da vitória. Vale ressaltar que essa alteração não foi feita de forma aleatória. O próprio Julião já havia jogado nessa função nos tempos de STK Samorim (SVK) e, em entrevista após a partida, exaltou a inteligência tática de Roger.

- O professor Roger, quando chegou, bateu um papo com todos os jogadores para saber as posições que a gente já tinha jogado. Ele conseguiu me colocar em uma posição que eu já tinha atuado, e acabou surtindo efeito. O mérito é todo dele, ele foi muito inteligente, soube usar essa tática - disse o atleta, após o triunfo em cima do Flamengo, no último dia 14.

Contra o Bangu, no entanto, a opção de Roger pelo improviso foi executada de outra maneira. Ao invés de mexer nas posições dos jogadores no decorrer da partida, o técnico preferiu escalar Paulo Henrique Ganso como falso nove, desde o início do jogo. Assim, mesmo tendo atacantes de ofício no banco de reservas - como John Kennedy, João Neto, Lucca e Samuel -, o treinador manteve Ganso, inclusive por boa parte da segunda etapa, e o jogador fez o gol da vitória.

Em entrevista coletiva, Roger ainda disse sobre como pensou a dinâmica para Ganso ser um falso nove. Segundo o treinador, a posição improvisada melhorou mais ainda no segundo tempo, quando o atleta passou a se posicionar mais como homem de referência na área.

- O Paulo (Henrique Ganso) chegando à frente como "falso 9" deu uma dinâmica interessante. O que eu pedi no intervalo era que, quando ele não tivesse participando estivesse dentro da área, e foi assim que ele conseguiu fazer o gol, o gol da vitória.

Além disso, as mudanças vem sendo frutos dos treinamentos. Ao término do jogo contra o Bangu, Ganso comentou sobre a brincadeira que tem com Fred pelo fato de atuar no ataque. Assim, a fala do jogador já comprova que nos treinos essas variações são testadas por Roger.

- Eu brinquei com o Fred (no treino) e ele falou "Olha, não vai tomar minha vaga não, hein?". Eu falei que ele pode ficar tranquilo porque falso nove sou eu, ele, Samuel... o importante é que nosso grupo é muito unido e está sempre ajudando um ao outro.

O 'time alternativo' ainda deve ter mais uma chance no Fluminense, antes da estreia definitiva do elenco principal. Assim, na próxima partida contra o Boavista, na terça-feira, às 18h, Roger pode pensar em manter Ganso como falso nove entre os titulares.

*Sob supervisão do editor Hugo Mirandela