Imprensa alemã ataca seleção do país após derrota para Macedônia do Norte nas Eliminatórias

·2 minuto de leitura
(arquivo) O técnico da Alemanha, Joachim Löw, antes da partida contra a Bielorrússia em Mönchengladbach, no dia 16 de novembro de 2019

"Nada funcionou", "desonra", "desastre": a imprensa alemã fez duras críticas à seleção nacional nesta quinta-feira, após a derrota por 2 a 1 para a modesta Macedônia do Norte, em uma partida das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022.

"Acabou, Jogi!", foi a manchete do Bild, o jornal mais lido do país, pedindo a saída imediata do técnico alemão Joachim Löw, que anunciou recentemente sua intenção de permanecer no cargo até depois da Euro 2020, adiada para julho de 2021.

"A magia exercida por Löw durante a Copa do Mundo (2014) infelizmente desapareceu. Seus méritos no futebol alemão são inegáveis, mas seu tempo passou", acrescentou o jornal.

O Bild encerra seu artigo com as seguintes palavras: "Depois da derrota por 2 a 1 diante da Macedônia do Norte, há uma coisa que deve ficar clara para todos: não se pode esperar que ele renuncie no final da Eurocopa".

A Kicker, a 'Bíblia' do futebol alemão, não vai tão longe mas critica que "a renovação da seleção que ele anunciou foi um passo em falso".

"A renovada seleção alemã continua procurando um rumo, tanto no nível lúdico, tático e psicológico quanto nas pernas e na cabeça", aponta a revista.

"É uma grande decepção", reconheceu o treinador Joachim Löw, "é difícil fazer uma análise no calor do momento, mas estávamos cansados", explicou ele após a partida.

Uma desculpa "que não cola", observou a Kicker, "contra um adversário como este!"

"A seleção alemã fez papel de ridícula (...) Alguns jogadores estão longe de seu nível básico habitual", diz o site Sport1, que aponta principalmente para o atacante do Chelsea Timo Werner, que perdeu um gol sem goleiro.

As críticas reacendem o debate sobre o retorno à seleção da "velha guarda", jogadores como Thomas Müller (de 31 anos) e Mats Hummels (de 32), que foram destituídos da "Mannschaft" na tentativa de "renovar" a seleção depois da desastrosa campanha na Copa do Mundo da Rússia em 2018, na qual não conseguiu passar da fase de grupos.

"Müller tem sua vaga, ele continua marcando gols e seria uma grande ajuda para qualquer equipe do mundo que estivesse em uma situação difícil", disse Uli Hoeness, presidente de honra do Bayern de Munique.

Após a derrota, a Alemanha é a terceira no grupo J das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022 no Catar com 6 pontos, os mesmos da Macedônia do Norte e está 3 atrás da surpreendente líder, a Armênia (9 pontos).

dac/smk/lrb/grp/pm/aam