Hospital de Bonsucesso: motorista que iria para subsolo foi salvo por ligação de amigo e ajudou a socorrer 12 pacientes

Rafael Nascimento de Souza
·2 minuto de leitura
Hospital Federal de Bonsucesso foi atingido por incêndio
Hospital Federal de Bonsucesso foi atingido por incêndio

O motorista José Gabriel Rodrigues Santos, de 68 anos, que há mais de 40 anos trabalha no transporte de insumos médicos no Hospital Federal de Bonsucesso, conta que quase se tornou vítima do incêndio que atingiu o local na terça-feira. De acordo com Santos, por volta de 9h, ele apertou o botão do elevador que o levaria para o subsolo da unidade. Logo em seguida, recebeu uma ligação telefônica de um colega de trabalho avisando que chamas começavam a se espalhar pelo local. Na mesma hora, o motorista correu para tentar ajudar os pacientes internados e conseguiu retirar 12 pessoas do edifício.

— Naquele momento, todo mundo parceria que era parente. O objetivo era salvar as vidas. Eu, há 40 anos no hospital, nunca passei por isso. Eu fui salvo por um amigo e tive a obrigação de salvar outras pessoas. A gente ia improvisando como dava. De maca, cadeiras de rodas e até lençóis — lembrou o motorista, emocionado.

Hospital de Bonsucesso: Defesa Civil fará vistoria para verificar se prédio tem risco estrutural após incêndio

Pai de dois filhos, o motorista que vive em Imbariê, Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, disse na terça-feira faria a entrega de material de patologia clínica na unidade. Segundo ele, num primeiro momento, funcionários chegaram a pensar que a situação seria uma simulação.

— A fumaça foi generalizada. Num primeiro momento, as pessoas pensaram que fosse alguma simulação. No entanto, quando vimos a correria e a gritaria, ficamos desesperados. Um dos pacientes que eu consegui ajudar a carregar havia acabado de passar por uma cirurgia e estava com a barriga aberta — contou Santos, acrescentando que “a rapidez e a agilidade dos profissionais”, fez com que muitas vidas fossem salvas — O nosso maior medo era que as pessoas morressem — completa.

Os técnicos da Defesa Civil só devem começar a inspeção após a liberação do local pelo Corpo de Bombeiros, que segue há mais de 24 horas trabalhando no rescaldo. O órgão isolou a área do incêndio e os acessos ao hospital ainda na terça-feira, e dá suporte ao trabalho dos bombeiros.

A investigação do caso ficará a cargo da Polícia Federal (PF). A apuração ainda não começou porque os agentes também aguardam o fim do trabalho dos Bombeiros e o aval da Defesa Civil para entrar no edifício.

Ao todo, três pacientes morreram. São eles: Marco Paulo Luiz, Núbia Rodrigues e uma idosa de 83 anos. Nenhum dos três corpos passou por exames de necropsia no Instituto Médico-Legal (IML) no Centro do Rio. Todos foram liberados do Hospital Federal de Bonsucesso para seus familiares.