Hospital aponta falência múltipla de órgãos como causa da morte de Pelé


Falência múltipla de órgãos em decorrência do câncer de cólon. Essa foi a causa da morte de Edson Arantes do Nascimento, o Rei Pelé, aos 82 anos, na tarde desta quinta-feira (29), segundo comunicado divulgado pelo Hospital Albert Einstein.

- O Hospital Israelita Albert Einstein confirma com pesar o falecimento de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, no dia de hoje, 29 de dezembro de 2022, às 15h27, em decorrência da falência de múltiplos órgãos, resultado da progressão do câncer de cólon associado à sua condição clínica prévia - diz o texto emitido pelo centro médico.

- O Hospital Israelita Albert Einstein se solidariza com a família e todos que sofrem com a perda do nosso querido Rei do Futebol - completa o texto, assinado pelos médicos Fabio Nasri, geriatra e endocrinologista, Rene Gansl, oncologista, Alexandre Holthausen, cardiologista e Miguel Cendoroglo Neto, Diretor-Superintendente Médico e Serviços Hospitalares do hospital.

Apesar da informação, a movimentação no Einstein prosseguia calma, com a movimentação apenas de jornalistas.

Seguranças da unidade começaram a montar um isolamento da entrada principal, prevendo a chegada de torcedores e fãs de Pelé.

Conforme o LANCE! apurou, a administração da unidade aguarda um posicionamento dos familiares de Pelé para saber se poderá autorizar ou não a entrada de autoridades que eventualmente quiserem ir ao local se despedir do Rei do Futebol.

+ Morre Pelé, Rei do Futebol e tricampeão do mundo pela Seleção Brasileira, aos 82 anos
+ Pelé eterno! Relembre 20 declarações históricas sobre o Rei
+ Pelé eterno: saiba os times que mais sofreram gols do Rei
+ Filha de Pelé se despede do pai nas redes sociais: 'Tudo que somos é graças a você'
+ O milésimo gol marcado por Pelé, o Rei do Futebol

Albert Einstein
Albert Einstein

Fachada do Einstein no momento da notícia (Foto: Rafaela Cardoso/LANCE!)

COMO ACONTECEU

Pelé começou em 31 de agosto de 2021 o jogo da sua vida contra o câncer.

Foi nesta data que o maior ídolo do futebol mundial, teve diagnosticado um tumor no cólon (intestino grosso) durante exames de rotina.

Os procedimentos deveriam ter sido feitos pelo Rei no ano anterior, mas foram adiados por conta da pandemia da Covid-19.

Exatos quatro dias depois, Pelé passou por cirurgia no Hospital Albert Einstein, em São Paulo (SP) - o mesmo onde está internado agora -, para retirar o tumor. Durante a internação, ele foi levado algumas vezes para a UTI por, segundo boletim divulgado à época, 'instabilidade respiratória'. Pelé iniciou as sessões de quimioterapia logo após a cirurgia.

O ídolo voltou a ficar internado por 15 dias em dezembro, para realizar mais sessões de quimioterapia. Recebeu alta no dia 23 e festejou o fato nas redes sociais. 'Como eu havia lhes prometido, vou passar o Natal com a minha família. Estou voltando para casa', escreveu.

O Rei voltou a sofrer complicações em fevereiro deste ano, quando passou um tempo a mais internado durante nova sessão de quimioterapia por conta de uma infecção urinária.

Além do câncer, Pelé sofre com sequelas de três cirurgias realizadas nos últimos anos. Colocou uma prótese no quadril e precisou passar por mais duas operações para correção. Desde então, com dores crônicas principalmente nos joelhos, ele passou e ter dificuldades de locomoção.