Deveríamos fazer micropausas ao longo do dia?

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Todos nós já tivemos aqueles dias em que mal nos levantamos da cadeira durante o home office, porque nos sentamos em frente ao computador e, quando percebemos, passamos cinco horas trabalhando, sem sequer parar para almoçar.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Na maioria dos ambientes de trabalho atuais, não podemos nos dar ao luxo de fazer pausas. Com cargas de trabalho intensas, fluxo constante de e-mails, mensagens no Slack e outros apps, muitas pessoas trabalham sem parar, do começo do dia até tarde da noite.

Leia também

Sabemos que precisamos fazer pausas para estar sempre revigorados, concentrados e saudáveis, mas pode ser difícil passar um tempo razoável longe do computador. No entanto, há cada vez mais evidências de que fazer "micropausas" pode ser a solução.

As micropausas são pequenos intervalos ao longo do expediente que podem ter um efeito positivo na forma como nos sentimos e trabalhamos.

O conceito de micropausa foi concebido na década de 1980 por pesquisadores do National Institute for Occupational Safety and Health, em Ohio, e da Purdue University, em Indiana. Eles publicaram um estudo em 1989 que analisou se pequenas pausas de cerca de 27 segundos poderiam reduzir a sensação de estresse ou aumentar a produtividade.

Os pesquisadores criaram um ambiente de escritório artificial e pediram para os 20 participantes do estudo trabalharem lá por dois dias, em uma tarefa de entrada de dados "extremamente repetitiva". Os participantes foram avaliados em relação ao ritmo de digitação, ao índice de correção, à frequência cardíaca e ao humor antes e depois da pausa.

O estudo gerou resultados mistos. Depois da micropausa, os trabalhadores tiveram desempenho pior em certas tarefas, por exemplo, a digitação ficou mais lenta. No entanto, aqueles que fizeram micropausas maiores apresentaram frequência cardíaca mais baixa, o que sugere que ficaram mais calmos. Além disso, o trabalho deles precisou de menos correções.

Quais são os benefícios das micropausas?

As micropausas se baseiam na teoria de que a possibilidade de se desligar do trabalho, mesmo que por um curto período, pode ajudar na recuperação física e psicológica.

Mudar o foco para algo não relacionado ao trabalho reduz as demandas que geram cansaço e estresse, além de aumentar a felicidade, a concentração e a satisfação.

Para saber mais sobre o impacto das micropausas na satisfação no trabalho, o pesquisador Sooyeol Kim e outros colegas da Universidade de Illinois estudaram um grupo de operadores de call center sul-coreanos por duas semanas. Os participantes precisavam responder a uma pesquisa antes e depois de cada dia de trabalho, além de informar as vendas diárias.

Os funcionários que não gostavam do trabalho, mas fizeram micropausas, apresentaram maior produtividade e sentimentos mais positivos. Porém, isso só aconteceu quando as pausas incluíram atividades como relaxar, conversar com colegas ou navegar na internet.

Fazer micropausas também pode ajudar a reduzir os níveis de estresse, especialmente em empregos que exigem muito da mente e do emocional. Um estudo publicado em 2010 por pesquisadores da Hannover Medical School revelou que as pausas no trabalho reduziram bastante os níveis de estresse dos cirurgiões que fazem cirurgias laparoscópicas complexas, sem prolongar o tempo de conclusão das operações.

Por sorte, você tem toda a liberdade para decidir o que fazer durante a micropausa, contanto que não seja nada relacionado ao trabalho: pode ser conferir o celular, conversar com um amigo, fazer uma caminhada rápida ou até mesmo olhar pela janela. Um estudo constatou que observar uma cidade repleta de telhados verdes aumentou a concentração dos funcionários.

O impacto físico das micropausas

Quem trabalha no computador, seja no escritório ou em casa, provavelmente passa bastante tempo sentado. Além das dores e desconfortos, uma pesquisa realizada nos EUA em 2017 sugeriu que ficar sentado por períodos prolongados é um fator de risco para a morte precoce, mesmo para quem faz exercícios.

"Muitas pessoas perceberam que, trabalhando em casa, mesmo com mais distrações, acabam passando ainda mais tempo sentadas, e geralmente em condições longe do ideal", comenta Jo Blood, diretora geral da Posture People. "Quando passamos muito tempo sentados, os músculos ficam rígidos, provocando dores quando nos movimentamos. Além disso, se nos sentarmos em lugares baixos demais ou no sofá, o resultado pode ser desastroso".

Fazer micropausas e se movimentar um pouco de vez em quando pode ser uma solução parcial para o problema. Pesquisadores da Universidade de Dalhousie e da Universidade de Nova Brunswick concluíram que esses pequenos intervalos podem ter um "efeito positivo na redução do desconforto" nas costas, no pescoço e nos pulsos de quem trabalha em frente ao computador. Além disso, não há evidências de que as micropausas tenham algum efeito prejudicial na produtividade dos trabalhadores.

"Movimentar o corpo regularmente também é uma forma de compensar o espaço de trabalho inadequado", explica Jo. "Recomendamos programar um alarme do outro lado do cômodo, para quando ele tocar, a pessoa precise se levantar para desligá-lo. Esse movimento ajuda a manter a produtividade por mais tempo".

Lydia Smith