Herói improvável do Verdão na decisão, Breno Lopes quase largou o futebol

ALEXANDRE DE AQUINO
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Marinho e Soteldo, do lado do Santos, Rony e Luiz Adriano, pelo Palmeiras, eram alguns dos principais candidatos a heróis na decisão da Taça Libertadores neste sábado (30) entre Palmeiras e Santos, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, pela grande trajetória que tiveram durante toda a competição continental e a bagagem que possuem na carreira. Mas coube ao atacante Breno Lopes, 25 anos, ser o grande nome da decisão ao marcar o único gol do jogo e que garantiu o bicampeonato ao time alviverde. Ele saiu do banco no segundo tempo para marcar, aos 54 minutos, o gol mais importante de sua carreira. Foi um salto na história de um jogador que na temporada 2019 ainda estava disputando a Série C do Brasileiro, pelo Joinville, e depois a Série B, com o Figueirense, ambos de Santa Catarina. Breno ainda passou por Athletico-PR, em 2020, antes de chegar ao Juventude. Foi em Caxias do Sul (RS), como vice-artilheiro da Série B, que chamou a atenção do Palmeiras. "É um dia inesquecível na minha vida, o torcedor merece. O Palmeiras vinha trabalhando há muito tempo buscando esse título. Meus pais estão aí [no estádio]. Estou muito feliz, não sei explicar a emoção", falou o jogador, em entrevista ao SBT logo após o término do jogo. "Não imaginava que viveria um momento assim. Quando vim para o Palmeiras, estava na Série B. Deus me abençoou, me deu essa oportunidade. Só quero desfrutar esse momento. Queríamos muito essa Libertadores e a hoje a gente conseguiu", completou o atacante do time alviverde. O jogador foi festejado pelos companheiros. "O Breno era um dos caras mais improváveis de estar aqui E fez o gol mais importante do Palmeiras, na Libertadores", disse Weverton, goleiro do Verdão. O curioso é que o herói alviverde chegou a desistir do futebol, mas voltou atrás graças à indicação de um amigo. Ele, então, fez um teste no São José, em Porto Alegre, e retomou a sua carreira. Em terras gaúchas ainda passou pelas categorias de base do Cerâmica antes de mudar-se para Santa Catarina e, enfim, chegar ao Joinville, onde ascendeu para o futebol profissional. Na sua infância, Breno havia passado por clubes amadores de Minas Gerais e teve até uma passagem no sub-15 do Cruzeiro, onde acabou dispensado. Com uma vida difícil, ele ainda se desvencilhou do envolvimento com o tráfico de drogas, já que alguns de seus amigos resolveram seguir por esse caminho, como lembra. Depois de uma longa jornada, o atacante acabou sendo contratado, em novembro passado, pelo Palmeiras, quando era um dos grandes destaques da Série B atuando pelo Juventude --ao deixar o time gaúcho, ele era tinha nove gols no campeonato. Prova de qualidade "A partir do momento que aceitei esse desafio tinha de estar preparado para todas as coisas. O estafe do Palmeiras me deu confiança. Havia muita desconfiança no meu nome e hoje estou provando que tenho condição de jogar aqui", completou o autor do gol do título do time palmeirense. No Verdão, são 17 jogos e apenas dois gols marcados, sendo um deles histórico. Antes da decisão diante do Santos, Breno havia marcado o seu primeiro gol pelo clube no empate contra o Vasco, no Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiro, na última terça-feira (26), dando um presságio do que já poderia acontecer. Para contar com o jogador, o Palmeiras desembolsou R$ 7,5 milhões por 50% dos direitos econômicos. Além disso, o clube deu para o atacante um contrato de quatro temporadas, ou seja, até o fim de 2024.