Henrique Rodrigues vê com otimismo futuro da natação brasileira

Mesmo jovem, tendo recém completado 26 anos, Henrique Rodrigues chega ao Sesi como um ponto de experiência na jovem equipe masculina de natação de alto rendimento do complexo paulista. Especialista em provas de velocidade, o nadador de Curitiba quer realizar esse papel de agregar bagagem às categorias de base do time e vê com otimismo os dois próximos ciclos olímpicos do esporte brasileiro.

“Acredito que, como um dos mais experientes aqui, tenho muito a oferecer para o Sesi. Posso passar essa experiência para a garotada toda que vem nas categorias de base e também buscar meus melhores resultados”, afirmou o nadador à Gazeta Esportiva durante seu evento de apresentação na manhã desta terça-feira, realizado na Fiesp, em São Paulo.

Ex-atleta do Pinheiros, tendo treinado com o técnico Fernando Vanzella indiretamente nos últimos dez anos, em 2007 e 2012, Henrique agora nadará ao lado de nomes como Etiene Medeiros e Daynara de Paula, além de Raphael Rodrigues, outro nome de experiência que também foi apresentado nesta terça-feira.

Na primeira semana de abril, através da Operação Águas Claras, a Polícia Federal em parceria com o Ministério prendeu Coaracy Nunes, então presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), além de outros dirigentes da entidade, por desvio de cerca de R$ 40 milhões por leis de incentivo ao esporte e convênios.

“Você nunca espera que uma coisa dessa magnitude aconteça. Mas se aconteceu mesmo dessa maneira que está sendo relatado, então a gente espera que a justiça seja feita, porque atinge a nós diretamente. Atinge todo nosso patrocínio, nosso esquema de treinamento, nosso calendário dos esportes aquáticos”, colocou o paranaense sobre o escândalo.

Leia mais: Cielo, Pereira e Borges sugerem modelo de gestão à CBDA

Henrique, contudo, vê um aumento na competitividade da natação brasileira após esse período de crise. “A gente vai sofrer com o patrocínio, a verba vai ser menor. Hoje temos oito vagas para o Mundial, então a competitividade vai estar muito alta, porque eu quero estar, assim como vários atletas querem estar nesse mundial”, analisou.

“Para 2020, acredito que a gente deve ter um grande resultado e 2024 com vamos estar pegando todo o respaldo desse treinamento, desse trabalho que vai ser feito até lá”, completou Henrique.

Na carreira, o nadador do Sesi é bicampeão pan-americano dos 200 metros medley (Guadalajara 2011 e Toronto 2015) e tem outros dois ouros, um nos 4×100 metros livre (Guadalajara) e outro nos 4×200 livre (Toronto).

*Especial para a Gazeta Esportiva