Hazard segue sendo um dos principais nomes para compor Real de Zidane

Gazeta Press

Pelo menos uma vez ao dia um nome é cotado para vestir a camisa do Real Madrid na próxima temporada, ao que os jornais internacionais estão chamando de “lista de Zidane”. Nesta terça-feira, o espanhol Marca traz em destaque uma matéria dizendo que Eden Hazard, do Chelsea, independentemente de outros nomes que apareçam no cenário, continua como um dos inalteráveis.

“Eden Hazard segue sendo o jogador melhor colocado para fazer parte do plantel que Zinédine Zidane terá sob seu comando a partir da próxima temporada”, diz a reportagem. “Por muitos motivos, entre os quais não é menor que o fato do jogador há algum tempo esteja emitindo sinais positivos para o clube blanco, está sua confessa devoção por Zidane”, completa. Ele negou as investidas.

Ainda na Espanha, o periódico As afirma que, com o retorno do técnico, negociações que antes pareciam impraticáveis, agora podem se tornar realidade. “Sua chegada ao banco catapultou as opções do Real Madrid para conseguir contratações galácticas que apenas três semanas atrás eram consideradas praticamente impossíveis”.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Entre os nomes citados pelo jornal, além de Hazard, ao qual o jornalista aponta um parecer de que deve “haver um acordo entre jogador e clube”, Mbappé, Neymar, Pogba, Eriksen e Pjanic são os outros atletas cotados pela publicação.

Em relação a Mbappé, o As publicou na última segunda que o Real estaria disposto a pagar 280 milhões de euros pelo atacante francês, desmentido pelo clube nesta terça. Neymar, também do PSG, seria um desejo antigo do clube, Pogba, no Manchester United, declarou que seria um sonho jogar pelos merengues e Eriksen tem contrato com o Tottenham até 2020, o que o deixaria livre no mercado, mas o Real gostaria de trazê-lo ainda nesta próxima janela de transferências.

Para finalizar, Pjanic, da Juventus, seria um dos nomes pedidos por Zidane, mas renovou seu contrato com a Velha Senhora até 2023 e não custaria menos de 60 até 70 milhões de euros, o que poderia inviabilizar a sua contratação.

Leia também