Clube sudanês retém passaporte de preparador brasileiro e o impede de viajar

EFE

Cartum/ Cairo, 30 abr (EFE).- O clube de futebol Al Hilal, do Sudão, reteve o passaporte do preparador físico brasileiro Rodrigo Andrade e o impediu sair do país, uma situação que levou a embaixada do Brasil a internvir.

Andrade, que trabalha no clube sudanês desde janeiro, disse nesta segunda-feira à Agência Efe que solicitou à direção do clube que lhe entregue seu documento de viagem em reiteradas ocasiões, com intenção de visitar sua mulher e filhos, que residem temporariamente no Cairo.

O preparador físico solicitou o passaporte pela primeira vez em 18 de março, depois que o clube se negou a levar sua família a Cartum para uma época de recesso das competições na primavera, o que estava previsto no contrato.

Segundo Andrade, o clube também não lhe paga seu salário desde o mês passado e está tentando forçar a apresentar sua demissão, o que lh faria pagar uma multa pela rescisão do contrato.

O embaixador brasileiro em Cartum, José Mauro Couto, em declarações à Agência Efe, afirmou que um diretor do Al Hilal lhe confirmou que o passaporte está retido e que não será entregue até que o preparador físico apresente sua demissão.

Couto afirmou que o caso se transformou "em uma questão humanitária", já que "impedir uma pessoa de viajar para fora do país quando não cometeu nenhum crime é uma crueldade".

A embaixada brasileira contatou o Ministério sudanês das Relações Exteriores para solicitar a intervenção no caso, com a esperança de que a situação seja resolvida "em breve".

Andrade chegou ao Al Hilal em janeiro, junto com o treinador brasileiro Sérgio Farias, que foi demitido no final de março após a eliminação da equipe na Liga dos Campeões Africana, mas manteve no cargo o preparador físico, que trabalhou anteriormente em clubes do Brasil, Egito e Kuwait.

O Al Hilal, contatado pela Efe, negou que tenha retido o passaporte e afirmou que há vários dias despediu o brasileiro e lhe pagou tudo o que faltava.

A porta-voz do clube, Fatima al Sadiq, disse que "o clube decidiu demitir o brasileiro Andrade por seu mau desempenho e o substituiu por outro tunisiano que chegou a Cartum há poucos dias".

Al Sadiq negou que a administração do clube tenha confiscado o passaporte de Andrade e qualificou as declarações de "mentirosas". EFE

mp-az/ff


Leia também