Hamilton rebate fala falsamente atribuída a Marko e fala sobre diversidade na F1: "Esse esporte precisa mudar"

motorsport.com

Lewis Hamilton voltou a usar suas redes sociais para falar sobre racismo e a cobrança por direitos iguais a todas as etnias, mas em uma situação muito particular. O hexacampeão respondeu a uma fala atribuída a Helmut Marko, onde o consultor da Red Bull dizia que Hamilton estava mais focado na luta pelo fim do racismo do que no campeonato. Mas tudo isso começou com um grande mal entendido: a fala de Marko nunca foi dita.

Todo o problema começou com uma publicação que atribuiu uma declaração a Marko, dita à emissora de TV alemã RTL. O site e as redes sociais do canal, porém, não possuem nenhuma notícia ou menção a essa entrevista do consultor da Red Bull.

Leia também:

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Há 58 anos, Jim Clark vencia a primeira na F1; confira os números da lenda do automobilismoHá 13 anos, Vettel estreava na F1; relembre vitórias do tetracampeãoMansell diz que ida de Hamilton para Ferrari é uma "utopia"

De acordo com o jornalista Luke Smith, da edição global do Motorsport.com, a última entrevista de Marko à emissora foi em 05 de junho, muito antes da matéria do Daily Mail que afirmou que Hamilton irá se ajoelhar na cerimônia pré-corrida na Áustria como forma de demonstrar apoio ao movimento Black Lives Matter.

"Enquanto alguns pilotos estão distraídos falando sobre quais vidas importam, a única coisa que importa para Max é o mundial. O treino dele foi otimizado para isso e ele está pronto", é a frase que foi atribuída falsamente a Marko.

Hamilton, sem saber que a fala de Marko era falsa, foi às redes sociais "responder" o consultor da Red Bull. Em uma publicação no Instagram, o hexacampeão criticou a falta de diversidade no esporte e pediu mudanças.

"Helmut, me entristece muito que você considera a luta por tratamento igualitário de pessoas negras e de outras etnias uma distração", escreveu Hamilton. "Eu fico muito ofendido por isso. Uma distração para mim são os fãs que aparecem nos finais de semana de corrida com as caras pintadas de preto para provocar a mim e a minha família".

"Uma distração para mim são as adversidades adicionais e desnecessárias e o tratamento injusto que eu enfrentei quando criança, adolescente, e mesmo agora, devido à cor da minha pele".

"Eu espero que isso reverbere entre as poucas pessoas de cor que você tem em sua equipe, sobre suas prioridades e como você os vê. Acorde. Esse esporte precisa mudar", concluiu Hamilton com uma marcação do perfil oficial da equipe Red Bull e a hashtag Black Lives Matter.

Essa é uma das diversas publicações feitas por Hamilton nas últimas semanas onde o hexacampeão defende o fim do racismo e a luta por direitos iguais. Uma delas foi dedicada especificamente ao mundo do automobilismo, que, até então, estava em silêncio sobre o tema.

"Eu vejo vocês que estão em silêncio, algumas das maiores estrelas, que, mesmo assim, ficam em silêncio em meio à injustiça", disse.

"Nenhum sinal de ninguém da minha indústria que, logicamente, é um esporte dominado por brancos. Eu sou um dos poucos pilotos negros lá, mas, mesmo assim, eu me levanto sozinho. Eu achava que agora, depois de ver o que está acontecendo, vocês diriam algo sobre isso, mas vocês não nos apoiam. Saibam que eu sei quem vocês são e vejo o que vocês fazem...".

A publicação de Hamilton surtiu efeito e, desde então, vários nomes do mundo do esporte a motor tem se manifestado nas redes sociais pelo fim do racismo.

Conheça o mal entendido que quase fez Massa e Farfus serem presos na Itália

PODCAST: O que a F1 deveria aprender com as demais categorias para melhorar?

Your browser does not support the audio element.

Leia também