Hamilton prioriza 'tempo em casa' e menos viagens em novo contrato com Mercedes

Redação Motorsport.com
·3 minuto de leitura

A três etapas do fim de 2020, Lewis Hamilton ainda não tem contrato garantido com a Mercedes para a temporada 2021 da Fórmula 1. E apesar do piloto e de Toto Wolff reafirmarem que não há pressa em sentar e assinar o contrato, aos poucos começam a surgir detalhes da negociação entre o piloto e a montadora. E um deles chamou a atenção: reduzir viagens para poder passar mais tempo com família e amigos em casa.

Após falar em Ímola que não sabia se estaria no grid em 2021, uma declaração que incendiou o paddock da F1, Hamilton adotou outro tom na Turquia, afirmando que quer seguir na categoria e que quer continuar o trabalho que vem fazendo com a Mercedes dentro e fora das pistas.

Leia também:

Vettel não se vê na F1 além dos 40 anos: "Tenho de três a sete anos restantes" Ex-diretor da Mercedes afirma que Hamilton pôs fim ao debate 'carro x piloto' com hepta Marko "aumenta prazo" para definição de segunda vaga na Red Bull; entenda

Sobre o contrato, Toto Wolff vinha falando que aguardava a conquista dos títulos de construtores e de pilotos, mas após Hamilton garantir o hepta na Turquia, o chefe da Mercedes admitiu a possibilidade de tudo ficar para a pós-temporada.

Em entrevista à BBC após a conquista do sétimo título, empatando com a marca histórica de Michael Schumacher, Hamilton confessou quais são algumas das condições que ele considera mais importantes para essa renovação com a Mercedes para além de 2020.

Segundo o britânico, um dos objetivos é poder passar mais tempo com família e amigos, podendo reduzir viagens entre as corridas para estar presente na fábrica, pedindo para que essas reuniões de planejamento presenciais sejam trocadas para virtuais.

"O tempo é parte importante das conversas", disse Hamilton. "Preciso de mais tempo. Esse ano provou que é possível trabalhar de casa. Tenho certeza de que teremos mais reuniões virtuais no contrato, em vez das presenciais. Isso significa que teria que voar menos".

"Considero esse tempo com amigos e família o mais importante. Se começarmos a viajar mais, vou querer levar minha família e criar lembranças com eles, celebrar o título com eles, tendo eles perto. Este ano não pude vê-los e isso tornou tudo ainda mais difícil".

Nas entrevistas após o GP da Turquia, Hamilton destacou que o momento criado pela pandemia tornou tudo ainda mais difícil para ele. Ao longo do ano, ele restringiu suas movimentações durante os finais de semana de corrida, ficando apenas em seu motorhome no paddock e entre as etapas, ficou por mais tempo em casa, evitando inclusive visitar sua família.

"Esse ano não tem sido fácil. Eu não saí para jantar nenhuma vez. Eu fico apenas na minha bolha e não tenho nada demais acontecendo além disso. Eu estava lutando por um campeonato então não queria correr riscos".

"Acho que nesse ano eu sacrifiquei mais do que em qualquer outro da minha vida. E isso tornou tudo mais difícil. Eu vou esperar até o momento de poder ficar com a minha família e meus amigos, porque quero compartilhar isso com eles.

Já as reuniões virtuais foram adotadas pela F1 para evitar contatos entre membros de equipes diferentes, para não criar furos nas bolhas internas do paddock, mas foram bastante aprovadas especialmente pelos chefes, que puderam reduzir as viagens para discutir assuntos importantes como mudanças no regulamento para os próximos anos.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1, MotoGP e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Entenda como Racing Point deixou de ser apenas a ‘Mercedes rosa

Podcast #076 – Hamilton x Schumacher: a comparação entre os campeões da F1

Your browser does not support the audio element.