Hamilton lembra Senna, transforma Câmara em Interlagos e recebe título de brasileiro

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Câmara dos Deputados provavelmente nunca se pareceu tanto com as arquibancadas do autódromo de Interlagos como nesta segunda-feira (7), quando o plenário recebeu o piloto Lewis Hamilton para a entrega do título de cidadão honorário brasileiro.

Heptacampeão mundial de Fórmula 1, o inglês participou de sessão solene nesta tarde, falou algumas palavras em português -"boa tarde" e "obrigado"- agradeceu a honraria, lembrou Ayrton Senna e enalteceu a diversidade brasileira.

"Gostaria de dedicar essa honra ao Ayrton Senna, à sua família, seus amigos e seus fãs. Quando eu tinha cinco anos, vi ele correr pela primeira vez e foi o momento que soube que queria ser campeão mundial como ele. Foi ali que conheci e aprendi sobre o Brasil, foi ali que comecei a jogar [o jogo de videogame] Fifa com o [time do] Brasil", afirmou ele na tribuna.

Hamilton disse ainda que pretende conhecer a floresta amazônica e ressaltou, como costuma fazer, seu lugar como homem negro dentro de um universo da Fórmula 1 que, segundo o próprio, ainda tem muito para avançar em diversidade.

"Me inspira vir ao Brasil porque eu vejo tanta gente lutando, uma audiência tão diversa e temos muito que podemos fazer juntos, só temos que nos unir, nos manter positivos, focados em nossos objetivos, não aceitar não como resposta e nunca desistir, porque não há nada que não possamos alcançar", disse.

"Agora eu me sinto um de vocês", encerrou.

Hamilton foi recebido com protocolo de chefe de Estado na Câmara dos Deputados, subindo pela rampa do Congresso Nacional.

Dentro do plenário, sentou-se ao lado do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), e fez acenos à plateia, enquanto uma enorme quantidade de parlamentares, assessores e fãs se amontoavam para tietar e tentar se aproximar para fotografar o piloto.

As cadeiras da Casa tomaram tom de arquibancada, com faixas, crianças de colo, gritos de "casa comigo" e bonés da Mercedes (sua equipe). Em coro, os presentes entoaram que "aha, uhu, Hamilton é nosso" e abrasileiraram o nome do inglês para "Luís Hamilton".

O clima distante do decoro parlamentar fez Lira, ao encerrar a sessão, brincar com o campeonato mundial de 2021, quando Hamilton acabou derrotado por Max Verstappen na última corrida do ano e que ficou marcada por polêmicas e acusações de favorecimento ao seu adversário.

"O sentimento de seus fãs é o mesmo de nós flamenguistas, nós fomos garfados em algum momento, mas os títulos realmente são sete, e no coração dos fãs são oito", afirmou o presidente da Câmara.

O ponto mais lembrado para justificar a honraria de cidadão brasileiro, aliás, foi justamente o Grande Prêmio de Fórmula 1 do Brasil daquele ano, quando Hamilton usou um capacete em homenagem a Ayrton Senna, venceu a corrida e comemorou com a bandeira verde e amarela, tal qual era tradição do piloto brasileiro fazer.

Em sua carreira, Hamilton ocupou lugar de piloto mais engajado com causas sociais, sobretudo durante os protestos do Black Lives Matter, quando liderou pilotos no movimento por mais igualdade social.

Nas eleições deste ano, ele curtiu um comentário de um seguidor que pedia a volta de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência.