Hamilton lamenta saída da Honda e reforça importância de um esporte tecnológico e sustentável

Redação Motorsport.com
·2 minuto de leitura

Há duas semanas, a Honda anunciou a saída da Fórmula 1 para focar na eletrificação e na neutralização das emissões de carbono. Lewis Hamilton lamentou a saída da montadora, apesar de entender as razões, e aproveitou para reafirmar que a categoria ainda tem muito a fazer para criar um esporte mais sustentável.

Para o hexacampeão, a F1 precisa avançar em termos tecnológicos para obter esse objetivo, que inclui a própria neutralização das emissões de carbono até 2030. E ele aplaudiu o que a sua equipe, a Mercedes, tem feito neste sentido.

Leia também:

F1: Ocon destaca auxílio de Alonso à Renault no trabalho com simulador F1: McLaren defende importância de pacote de atualizações apesar de crítica de Sainz FIA afirma que caso de Stroll não expõe falhas em protocolos de Covid-19 na F1

"É uma pena a saída deles", disse ao portal GP Fans. "Em parte, entendo a decisão, já que o esporte segue tendo um longo caminho pela frente se quiser de fato ter um impacto mais positivo sobre o planeta".

"Mas acredito que se eles veem o que a Mercedes está fazendo em termos de cumprir objetivos a longo prazo, a responsabilidade da indústria é de impulsionar a tecnologia".

Hamilton ainda destacou como a F1 segue sendo referência em termos tecnológicos e de inovação mas, para o piloto, ainda é necessário um salto para o próximo nível, algo que ele vê na Mercedes.

"Somos referência em tecnologia e inovação, e acredito que as mudanças devem chegar. A Mercedes já demonstrou que está disposta a ser parte desta mudança, e que querem levar a tecnologia ao próximo nível. Acredito que essa seja a chave".

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Neste fim de semana, a F1 visita Portimão, para o GP de Portugal. E em uma prova onde adaptação é essencial, a Mercedes e Hamilton podem respirar aliviados: o piloto ou a equipe venceram a edição inaugural das quatro últimas provas novas. Ele venceu em Mugello, Sochi e Austin. Já Rosberg venceu em Baku. Parece uma aposta certa não? Quer saber mais? Confira o ThePlayer.com e não perca nada!

Prêmios no Motorsport.com? Dê o primeiro passo com cadastro gratuito no ThePlayer.com; saiba mais

Podcast – O mercado da F1 para 2021 e os 30 anos do bicampeonato de Senna

Your browser does not support the audio element.