Hamilton diz que Ferrari só precisa de "fim de semana sólido" para mostrar verdadeiro potencial da SF90

Redação GP

Lewis Hamilton registrou o seu melhor início de temporada na Fórmula 1 desde 2015. Com um segundo lugar na Austrália e vitórias no Bahrein e na China, o pentacampeão mundial já aparece como o líder do campeonato, com seis pontos de vantagem para o companheiro de equipe Valtteri Bottas, deixando as Ferrari de Sebastian Vettel e Charles Leclerc para trás, o que surpreende o próprio Hamilton.

O inglês falou sobre a dificuldade dos italianos nas três primeiras corridas. Ele citou a má sorte que Leclerc teve no Bahrein, quando se encaminhava para uma vitória até ter problemas de motor e ser superado pelas duas Mercedes. Hamilton também comentou sobre a evolução do W10 desde os testes de pré-temporada, realizados em Barcelona.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"Acho que o resultado do Bahrein seria uma dobradinha. Certamente, se eles não tivessem o problema de confiabilidade, seríamos segundo e terceiro ou segundo e quarto, algo assim. Óbvio que com os resultados, Sebastian foi bem rápido na última corrida, então é difícil dizer, mas já superamos os testes, colocamos o carro em uma janela, mas sabíamos que faltavam alguns décimos e achamos que eles tinham a vantagem", comentou em entrevista aos jornalistas em Xangai. 

Sebastian Vettel e Lewis Hamilton (Foto: AFP)




O pentacampeão também elogiou o carro da Ferrari até agora, e acredita que o time não conseguiu um final de semana sólido para provar o potencial da SF90. Depois dos problemas de confiabilidade com Leclerc e a rodada de Vettel no Bahrein, o time italiano 'altos e baixos' na China, segundo o Hamilton.

"Eu não acho que eles conseguiram um final de semana sólido até agora. Eles pareciam bem sólidos no Bahrein, até que tudo começou a cair. Na China, tiveram altos e baixos durante o fim de semana. Não sei o motivo deles estarem perdendo. Eles ganham algo de 0.4s nas retas, mas perdem muito nas curvas. Será interessante ver por quanto tempo eles seguirão adotando esta estratégia nas próximas corridas, mas muitas provas vão acontecer onde o carro deles pode superar o nosso", comentou.


E quando a Ferrari terá a oportunidade de mostrar completamente o seu potencial? Segundo o pentacampeão, será em circuitos mais travados, já que o modelo ainda tem um carro entre eixos menor que o da Mercedes.

"Eles ainda têm o carro mais curto entre eixos, talvez ande melhor em outros lugares. Acho que estamos entregando mais do que o esperado no momento para o nosso verdadeiro potencial, mas ainda há mais por vir", concluiu.

 


 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo


O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.


Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.







Leia também