Hamas elogia apoio árabe à Palestina durante a Copa do Mundo

Bandeiras e manifestações de torcedores favoráveis à Palestina são frequentes nos estádios do Catar. Foto: Jonathan Brady/PA Images via Getty Images
Bandeiras e manifestações de torcedores favoráveis à Palestina são frequentes nos estádios do Catar. Foto: Jonathan Brady/PA Images via Getty Images

O Movimento de Resistência Islâmica da Palestina elogiou o apoio aberto dos árabes à Palestina durante a Copa do Mundo da FIFA no Catar.

"O Hamas está muito feliz com o amplo apoio demonstrado pelos torcedores de futebol ao povo palestino durante sua estada no Catar", disse o porta-voz do movimento, Abdul Latif Al-Qanou.

Leia também:

Ele agradeceu aos torcedores de futebol árabes e outras pessoas livres de todo o mundo que expressaram sua solidariedade aos palestinos e sua causa. "Isso ilustra o fato de que o estado de ocupação israelense está isolado."

O apoio aos palestinos incluiu torcedores segurando a bandeira da Palestina ao lado das bandeiras de seus próprios times participando do torneio e desafiando jornalistas israelenses fora dos estádios onde as partidas estão sendo disputadas.

“Não há Israel, apenas a Palestina”, disse um torcedor saudita a um repórter de Israel reforçando que ele não era bem-vindo na Copa do Mundo do Catar

Para encerrar, o funcionário do Hamas pediu maiores esforços de apoio aos palestinos contra a "opressão israelense institucionalizada".

No triunfo da Austrália sobre a Tunísia pela segunda rodada do Mundial do Catar, torcedores tunisianos mostraram a faixa “Palestina livre” na Copa do Mundo.

O tema não é novo nesta Copa do Mundo. A seleção e torcida do Catar usaram braçadeiras e fitas com a bandeira palestina na partida de abertura do Mundial do Catar contra o Equador. Já na vitória surpreendente da Arábia Saudita sobre a Argentina, de virada, por 2 a 1, torcedores sauditas mostraram bandeiras palestinas.

As manifestações incomodam a FIFA já que antes do começo da Copa o presidente da FIFA, Gianni Infantino, solicitou as 32 seleções que o futebol ocupasse o centro do palco deixando questões políticas de lado.